Agronegócio

China suspende compra de carne de frigoríficos de Barra do Garças e Várzea Grande

Técnicos identificaram a presença de ácido nucleico da Covid-19 na embalagem externa de quatro lotes de produtos

Publicados

Agronegócio

A Administração Geral de Aduanas da China (GACC) suspendeu, por uma semana, as importações de três exportadores brasileiros de carne bovina – JBS S/A, Marfrig e Naturafrig –, segundo informou o jornal Valor Econômico, citando uma comunicado enviado à Embaixada do Brasil em Pequim.

A decisão afeta quatro unidades localizadas em Mato Grosso e em São Paulo, e entra em vigor neste sábado (16).

De acordo com o comunicado, os técnicos identificaram a presença de ácido nucleico do novo coronavírus na embalagem externa de quatro lotes de produtos congelados dessas empresas enviados para a China.

A decisão afeta o frigorífico da JBS em Barra do Garças, e as unidades da Marfrig em Várzea Grande, na área meropolitana de da Capital, e Promissão, em São Paulo, e o frigorífico da Naturafrig em Pirapozinho, também no Estado de São Paulo.

As empresas não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Na semana passada, a GACC suspendeu as importações de duas unidades brasileiras de carne bovina e uma produtora de aves, também por uma semana, a partir de 8 de abril.

Leia Também:  Jovem discute com suspeito, leva golpe de canivete no peito e morre em Querência

Essa proibição envolveu unidades de carne bovina da JBS em Goiás e da Marfrig em Mato Grosso e uma unidade de frango em São Paulo, de propriedade da Zanchetta.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

CPI flagra que agronegócio sonega R$ 300 milhões por ano em MT

Valor é considerado menor que expectativa dos deputados no início da comissão

Publicados

em

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal aprovou o relatório do setor do agronegócio em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (4). Esta foi a última sub-relatoria a concluir os trabalhos. A CPI também teve as sub-relatorias mineração, combustíveis e frigorífico.

Responsável pelo relatório do agronegócio, o deputado estadual Valmir Moretto (Republicanos) afirmou que o texto aprovado teve como base dados da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz/MT) e revelou uma sonegação menor do que era esperada. O parlamentar também destacou o caráter propositivo do documento. “O relatório vai gerar uma proposta de lei para que a gente incentive o governo a dar crédito, dar benefícios e identificar as pessoas que contribuem com o Estado, pagam seus impostos em dia”, ressaltou Moretto.

O deputado Carlos Avallone (PSDB) também contribuiu na elaboração do relatório. “Nós identificamos um maior número de ocorrências na área do comércio atacadista. Vimos um volume de sonegação de 900 milhões de reais em três anos, o que daria 300 milhões por ano, o que é muito para os cofres públicos”, afirmou o parlamentar. Ele ainda disse acreditar que as propostas contidas no relatório vão ajudar no combate à sonegação e na redução do tempo de tramitação de processos administrativos tributários.

Leia Também:  CPI estuda possibilidade de reabertura de cinco frigoríficos no Estado

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, deputado Wilson Santos (PSD), marcou para a próxima quarta (11), às 15h, a apresentação do relatório final da CPI. O texto será apresentado pelo relator, deputado Nininho (PSD). “Ele vai juntar todos esses relatórios já aprovados e vai fazer uma apresentação que já está sendo trabalhada. Acredito que até quarta que vem a gente aprove”, afirmou Carlos Avallone.

O relatório do setor do agronegócio foi aprovado com os votos de Avallone e Moretto. O deputado Wilson Santos se absteve.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA