a

Brasil

Lula lembra revolução do agro na Era PT e sinaliza para Maggi

Ex-governador é cotado nos bastidores para até mesmo ser vice de petista em 2022

Publicados

Brasil

O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou na manhã desta quarta-feira (29), que o Partido dos Trabalhadores foi governo que mais investiu no setor do agronegócio de Mato Grosso. As declarações foram dadas após o ex-presidente ser questionado sobre o eleitorado de Mato Grosso, na maioria das lideranças do agronegócio ser aliada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Lula, que é pré-candidato à presidência da República, argumentou que a maioria dos eleitores do Estado não está ligada ao agronegócio. Ele também garantiu que o PT foi o maior investidor que o setor já teve em 13 anos.

“Embora o Estado de Mato Grosso seja tipicamente ligado ao agronegócio, mas a verdade é que a maioria do povo não é. A maioria do povo trabalha normalmente ligada à indústria do agronegócio, a exportação. Agora, eu acho que nós temos que convencer ideologicamente as pessoas, não por conta do agronegócio”, disse Lula em entrevista à Rádio Capital.

Ele citou como exemplo a Medida provisória 423/2008, que instituiu medidas de estímulo à liquidação e regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário. “Eu queria que pudessem ler o que significou a Medida Provisória 432/2008 aprovada pelo Congresso, considerada histórica pelo agronegócio brasileiro com a chamada securitização. Fizemos o maior negócio já feito na agricultura, negociando uma divida de R$ 87 bilhões. Na época, foi reconhecida como a coisa mais importante já feito na agricultura e obviamente que o agronegócio de Mato Grosso foi beneficiado. Se você pegar o Plano Safra de 2015 e 2016 pela Dilma, a gente tinha R$ 187 bilhões de financiamentos feitos pelo Banco do Brasil e se você pegar o da agricultura familiar tinha quase R$ 30 bilhões financiados”, explicou o ex-presidente.

Leia Também:  Governo de Mato Grosso abre 3,3 mil novas vagas no sistema penitenciário

Lula ainda afirmou que não foi por falta de investimento que o PT não conseguiu adesão dos eleitores do agronegócio. Ele também pontuou que para conquistar o grupo, o partido deverá trabalhar muito. “Então, não é por falta de tratar bem o agronegócio que as pessoas não votarão no PT.  Se as pessoas não votaram no PT, temos que trabalhar muito, saber quais a diferenças que temos para convencer essa gente a votar. Se bem que eu respeito quem votou contra o Lula, quem votou contra tem meu respeito tanto quanto quem votou favorável”, declarou, ao acrescentar que “agora, nenhum produtor rural pode dizer que já teve um presidente da Republica que fez mais investimento no Estado de Mato Grosso do que o PT fez em 13 anos em ferrovia, rodovia, educação, saúde ou qualquer área. Aliás, eu quero agradecer o nosso querido Barranco, a nossa professora Rosa Neide, o Lúdio Cabral e a vereadora Edna Sampaio, que são nossos soldados ai no Estado. Então é isso, acho que vamos ter que convencer a maioria das pessoas do significado e da importância do PT.

Leia Também:  Após carreata da esquerda, direita protesta contra Bolsonaro

Por fim, o ex-presidente comentou sobre lideranças do agronegócio que têm se posicionado contra o desmatamento para a produção e em defesa do meio ambiente, acenando ao ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi. “Eu tenho visto alguns documentos de grandes empresários rurais, grandes exportadores e que são contra o desmatamento, que estão criticando aqueles que tentam violentar a floresta queimando e desmatando. Eu queria até citar o nome do Blairo Maggi, que eu tenho uma recordação, que tivemos uma boa convivência e tem encabeçado essa lista na defesa do agronegócio brasileiro, na defesa das exportações dos produtos agrícolas e da carne para que a gente possa levar em conta as criticas que o mundo vem fazendo ao Brasil para que a gente possa fazer a coisa certa. A gente pode crescer sem precisar degradar o meio ambiente”, finalizou Lula.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Datafolha: Lula tem 47% no primeiro turno, contra 28% de Bolsonaro

A pesquisa ouviu 2.556 pessoas nos dias 22 e 23 de junho em 181 cidades brasileiras. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Publicados

em

Pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta quinta-feira (23) pelo jornal “Folha de S.Paulo” revela os índices de intenção de voto para a eleição presidencial de 2022.

Foram apresentados como pré-candidatos: Lula (PT), Jair Bolsonaro (PL), Ciro Gomes (PDT), André Janones (Avante), Simone Tebet (MDB), Luciano Bivar (União Brasil), Felipe D’Ávila (Novo), Eymael (DC), Pablo Marçal (Pros), General Santos Cruz (Podemos), Leonardo Péricles (UP), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU).

Em relação ao levantamento anterior, Lula oscilou um ponto para menos, dentro da margem de erro. Bolsonaro oscilou um ponto para mais, também dentro da margem de erro.

Pesquisa estimulada de intenções de voto no 1º turno

 

  • Lula (PT): 47% (48% na pesquisa anterior, em maio)
  • Jair Bolsonaro (PL): 28% (27% na pesquisa anterior)
  • Ciro Gomes (PDT): 8% (7% na pesquisa anterior)
  • André Janones (Avante): 2% (2% na pesquisa anterior)
  • Simone Tebet (MDB): 1% (2% na pesquisa anterior)
  • Pablo Marçal (Pros): 1% (1% na pesquisa anterior)
  • Vera Lúcia (PSTU): 1% (1% na pesquisa anterior)
  • Em branco/nulo/nenhum: 7% (7% na pesquisa anterior)
  • Não sabe: 4% (4% na pesquisa anterior)
Leia Também:  "Sergio": o relato da viúva do diplomata brasileiro retratado em novo filme da Netflix

Felipe d’Avila (Novo), Sofia Manzano (PCB), Leonardo Péricles (UP), Eymael (DC), Luciano Bivar (UB) e General Santos Cruz (Podemos) não pontuaram.

A pesquisa ouviu 2.556 pessoas nos dias 22 e 23 de junho em 181 cidades brasileiras. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Votos válidos

 

Lula ganharia no primeiro turno, pelos números do Datafolha divulgados nesta quinta. Em relação à pesquisa anterior, ele e Bolsonaro oscilaram dentro da margem de erro.

  • Lula (PT): 53% (54% na pesquisa anterior, em maio)
  • Bolsonaro (PL): 32% (30% na pesquisa anterior, em maio)
  • Ciro (PDT): 10%

 

Pesquisa espontânea

 

A pesquisa espontânea mostra que Lula segue líder: tinha 38% e agora tem 37%. Bolsonaro passou de 22% para 25%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

  • Lula: 37% (38% em maio)
  • Bolsonaro: 25% (22% em maio)
  • Ciro: 3% (2% em maio)
  • Não sabe: 27% (29% em maio)
  • Em branco/nulo/nenhum: 6% (5% em maio)
Leia Também:  Após carreata da esquerda, direita protesta contra Bolsonaro

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA