Cultura

Capoeira e Romaria de Carros de Bois serão temas de livros e pesquisas em Goiás

Ações de preservação vão beneficiar o ofício dos mestres de Capoeira, a Roda de Capoeira e os Carros de Bois da Romaria de Trindade, visando à sustentabilidade dos bens culturais

Publicados

Cultura

Carreiros seguem rumo à Romaria de Carros de Bois da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade. (Foto: Acervo Iphan-GO)

Salvaguardar a tradição, os saberes e os fazeres das comunidades de modo a promover a sua continuidade para as próximas gerações. É com esse objetivo que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por meio da superintendência em Goiás contratou produção de pesquisas e elaboração de e-books (livros eletrônicos) no valor de R$ 46,6 mil com o foco na transmissão do conhecimento e da promoção do Ofício dos Mestres de Capoeira, da Roda de Capoeira e da Romaria de Carros de Bois da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade, reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil.

Foto: Mestre GuerreiroO Ofício dos Mestres de Capoeira e a Roda de Capoeira, inscritas no Livro de Registro das Formas de Expressão em 2008, irão receber uma pesquisa de mapeamento do território, em formato de mapas georreferenciados da existência de grupos e suas origens, buscando identificar a filiação dos principais mestres da região metropolitana de Goiânia (GO) e do entorno.

A pesquisa exigirá o deslocamento dos pesquisadores dentro do perímetro delimitado de Goiânia e da região do entorno, que abrange os municípios de Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Goianápolis, Goianira, Guapó, Leopoldo de Bulhões, Nerópolis e Trindade, para a execução do mapeamento e a genealogia dos mestres e grupos de capoeira.

Leia Também:  Preso, ex-secretário ganhou fama com licitações no Exército

“Além de auxiliar na transmissão dos saberes, essa contratação vai contribuir para a percepção mais ampla sobre a capoeira no território estudado, na medida em que os movimentos migratórios de mestres, que carregam consigo sua prática, influenciam os modos de difusão da Capoeira nos estados, permitindo assim compreender a história da Capoeira em Goiás”, explica a historiadora do Iphan-GO, Renata Galvão.

Já a Romaria de Carros de Bois da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade, bem cultural registrado em 2016, vai receber um manual em formato de e-book, explicando o modo de fazer dos carros de bois. Para a construção deste material, a empresa contratada vai executar uma pesquisa, contatando os carreiros detentores dos saberes, para coletar as informações e produzir um texto descritivo sobre o modo de fazer dos carros de bois.

A elaboração do material prevê entrevistas com os carreiros, com possibilidade de serem realizadas presencialmente, o que geraria a necessidade de deslocamentos, afinal muitos carreiros que são os detentores do modo de fazer os carros de bois não residem na região metropolitana de Goiânia. Contudo, outros dados poderão ser levantados de modo virtual.

Leia Também:  Barra do Garças receberá espetáculo de Marco Zenni

A iniciativa da contratação é resultado da articulação entre os mestres, os capoeiristas, os carreiros, os pesquisadores e o Iphan, por meio de reuniões para definição do Plano de Salvaguarda da Capoeira e da Romaria de Carros de Bois da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade. Os produtos deverão ser entregues em 434 dias. Diversas outras ações serão desenvolvidas a curto, médio e longo prazos, e servirão de apoio, fomento e disseminação dessas práticas culturais.

O superintendente do Iphan-GO, Allyson Cabral, destaca que “é necessário pensar na transmissão dessas práticas para as futuras gerações. Esses e-books são registros valiosos que vão apoiar a continuidade das práticas culturais, além de atuar na melhoria das condições sociais e materiais de transmissão e reprodução que possibilitam sua existência”.

Foto berimbau: Arquivo Mestre Guerreiro

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Cultura

STF nega suspender demarcação de terra indígena em MT

Terra Indígena Menkü possui 47.094 hectares deverá passar para 186.648 hectares

Publicados

em

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (SFT), negou pedido da Prefeitura de Brasnorte (579 km de Cuiabá) que tentava suspender um processo de demarcação da Terra Indígena Menkü que possui 47.094 hectares e deverá passar para 186.648 hectares para uma população aproximada de 130 indígenas. Ele ratificou uma liminar da Justiça Federal de Mato Grosso, de março deste ano, que autorizou o prosseguimento do processo relativo à demarcação.

Conforme sustentado pela Prefeitura de Brasnorte, a situação que tem gerado o acirramento de ânimos na região, pelos proprietários e possuidores atuais das terras, “que as possuem de forma regular antes mesmo da Constituição Federal, ou seja, há mais de 30 anos”. Na reclamação apresentada ao Supremo, o Município relata que a Justiça Federal de Mato Grosso, autorizou o prosseguimento da demarcação sem qualquer consulta ao município de Brasnorte com encaminhamento dos autos ao Ministro de Estado de Justiça e Segurança Pública.

A liminar foi concedida em 24 de fevereiro deste ano pelo juiz Frederico Pereira Martins, da Vara Federal Cível e Criminal de Juína (735 km de Cuiabá). Ele acolheu pedido formulado pelo Ministério Público Federal (MPF) numa ação civil pública ajuizada em maio de 2021.

A Prefeitura de Brasnorte sustentou que o juiz federal usurpou a competência do Supremo e ainda teria incorrido em “violação ao que restou decidido no Recurso Extraordinário afetado à técnica da repercussão geral, registrado sob o n° 1.017.365 (TEMA 1031)”, cujas decisões suspenderam as ações relacionadas à posse e demarcação de terras indígenas, como também os efeitos do Parecer n. 001/2017/GAB/CGU/AGU, que serve de base jurídica para os procedimentos de demarcação.

Leia Também:  Jovens de Barra do Garças vencem o "Miss e Mister Mato Grosso Teen 2020"

Dentre as alegações, diz ter sido surpreendida com a notícia de que a Justiça Federal determinou o prosseguimento do processo de demarcação de terras indígenas sem que fosse notificada pelo juízo, “o que viola o devido processo legal, tendo-se em conta que a falta de participação do ente federado é causa de nulidade do processo”.

Relata ainda que, de acordo com o processo, administrativo, a ampliação da Terra Indígena Menkü atingirá 146.398 hectares, passando de 47.094,8647 hectares para 186.648 hectares, para uma população aproximada de 130 indígenas daquela etnia, “situação que tem gerado o acirramento de ânimos na região, pelos proprietários e possuidores atuais das terras, que as possuem de forma regular antes mesmo da Constituição Federal, ou seja, há mais de 30 anos”.

Ao analisar os argumentos e documentos apresentados pela parte autora, o ministro relator negou a cautelar na reclamação por entender que a decisão contestada está em consonância com julgamento do próprio Supremo. Conforme Edson Fachin, a decisão recorrida, ao determinar o prosseguimento de ação demarcatória, “não descumpriu o que determinado no processo mencionado, pois, ao menos prima facie, determinou que fossem assegurados os direitos territoriais dos povos indígenas, notadamente, no caso, o Povo Indígena Myky”.

Leia Também:  Preso, ex-secretário ganhou fama com licitações no Exército

Esclareceu ainda que não se trata de ação anulatória de processo demarcatório, a atrair a aplicação das razões de decidir da decisão apontada como paradigma. “Eis que não há risco de exposição majorada dos indígenas ao coronavírus por meio de decisões de despejo, de forma que não me parece, nesse exame preliminar, haver divergência da decisão reclamada com aquela apontada como paradigma”, escreveu o ministro.

Por fim, o magistrado ressaltou que “não há qualquer determinação, nessa decisão, que embase a paralisação de processos demarcatórios pelo órgão indigenista, apenas a imposição de que o Parecer nº 001/2017/GAB/CGU/AGU não seja utilizado como fundamento para revisão dos processos. Nesse contexto, tendo em vista a aparente conformidade da decisão impugnada com o parâmetro de controle, não vislumbro, de plano, a probabilidade do direito alegado, de modo que indefiro o pedido liminar. Requisitem-se as informações à autoridade reclamada, no prazo legal, nos termos do artigo 989, inciso I, do CPC”, decidiu Edson Fachin no dia 5 deste mês.

Ele também determinou a inclusão, de ofício, do Povo Indígena Myky da Terra Indígena Menkü, na qualidade de beneficiário do ato reclamado, devendo ser citado para apresentar contestação, no prazo legal. Ao término dos prazos, os autos serão remetidos à Procuradoria-Geral da República para emissão de parecer.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA