BARRA DO GARÇAS

Cultura

MPF e DPU garantem inclusão de indígenas residentes em áreas urbanas em grupo prioritário de vacinação contra a covid-19

Justiça Federal determinou que a União e o Estado de Mato Grosso viabilizem a vacinação dos indígenas no prazo máximo de 10 dias

Publicados

Cultura

O Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) obtiveram, na última segunda-feira (2), decisão liminar determinando que a União inclua, no prazo máximo de dez dias, os indígenas do Estado de Mato Grosso que vivem em áreas urbanas ou em outros locais em que não estejam cadastrados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) na fase de vacinação prioritária contra a covid-19.

Foi determinado, ainda, que a União e o Estado de Mato Grosso assegurem, no prazo de dez dias, a destinação de doses de vacina contra covid-19 e procedam à articulação imediata junto aos municípios para efetivação da vacinação prioritária de todos os indígenas do estado que vivem em contextos urbanos ou em outros locais em que não estejam cadastrados pela Sesai. Atualmente apenas os indígenas “aldeados” estão sendo vacinados dentro do grupo prioritário.

Conforme a ação civil pública (ACP) ajuizada pelo MPF, em atuação conjunta com a DPU, e que resultou na concessão da liminar, foram requisitadas informações ao secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) e à Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso sobre a vacinação dos indígenas que vivem em áreas urbanas. Provas foram reunidas no sentido de que os indígenas residentes em áreas urbanas estavam excluídos do plano de vacinação contra covid-19, tanto por não serem considerados como seu público alvo pelos Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei’s) quanto por não serem atendidos pelos municípios e pelo estado no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia Também:  PARQUE ESTADUAL DA SERRA AZUL – Projeto audacioso vai mudar estrutura turística do Parque

As informações reunidas junto aos Dsei’s revelaram que mais de 3,6 mil indígenas em Mato Grosso estão excluídos da vacinação prioritária por não serem “aldeados”. Além disso, apurou-se que o Dsei/Cuiabá devolveu à Secretaria Estadual de Saúde 840 doses de vacina não utilizadas, enquanto que o Dsei/Xingu tem à sua disposição 800 doses prestes a serem devolvidas também. Esse total de 1.640 doses de vacina poderia ter sido utilizado para imunização de indígenas residentes em áreas urbanas, mas seu uso não foi autorizado pelo órgão central (Sesai).

O MPF e a DPU frisaram que, historicamente, os povos indígenas sempre estiveram mais vulneráveis biologicamente a viroses, em especial a infecções respiratórias. “Estas doenças sempre apresentaram altos índices de mortalidade causados pelas doenças transmissíveis que contribuíram com a redução do número de indígenas que vivem no território brasileiro. Os efeitos da pandemia somam-se, portanto, às circunstâncias históricas e peculiaridades biológicas desses grupos”, segundo consta da petição inicial. Dados apontados na ação demonstram uma letalidade maior da pandemia entre os indígenas se comparados aos demais grupos.

Também se apontou na ação que o Ministério da Saúde não vinha cumprindo a legislação que elencou os indígenas, sem distinção, entre os integrantes dos grupos prioritários de vacinação, assim como a decisão do Supremo Tribunal Federal na ADPF n. 709.

A Justiça Federal, na decisão liminar, citou a Lei n. 14.021/2020, que versa sobre medidas de proteção social para prevenção do contágio e da disseminação da covid-19 nos territórios indígenas. A lei coloca os indígenas isolados e de recente contato, os indígenas aldeados e os que vivem fora das terras indígenas, em áreas urbanas ou rurais no mesmo patamar de proteção prioritária, sem distinção de domicílio, e “é assim que a política pública de imunização deve tratá-los, essa deve ser a premissa a partir da qual tudo deve suceder”, segundo o magistrado.

Leia Também:  Doada na maternidade, filha de menina de 12 anos reencontra a mãe aos 27 anos em MT

“Se a lei não os distinguiu, é vedado que uma norma infralegal o faça. Se a lei não condicionou a proteção à região em que vivem, as políticas públicas não podem limitar essa proteção com base nesse critério, realizando distinções discriminatórias e não amparadas em elementos técnicos para priorizar a imunização de indígenas aldeados em descompasso com aqueles que vivem em zona urbana ou rural, não aldeados”, destaca também a decisão.

Dessa forma, além da inclusão dos indígenas não aldeados no plano de imunização, a União e o Estado de Mato Grosso devem assegurar, no prazo de dez dias, a destinação de doses de vacina contra a Ccovid-19 e proceder à articulação imediata junto aos municípios do estado para fins de efetivação da vacinação prioritária de todos os indígenas de Mato Grosso que vivem em contextos urbanos ou em outros locais em que não estejam cadastrados pela Sesai.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Cultura

Abalantes do Sertão vence classificatória do Festrilha 2022, lidera ranking estadual e vai representar Barra do Garças na final

Evento é realizado pela Federação Mato-grossense de Quadrilhas Juninas e o polo de Barra do Garças contou com apoio da Prefeitura Municipal

Publicados

em

No último sábado (9), Barra do Garças sediou a etapa regional do Festrilha 2022, o Festival Estadual de Dança de Quadrilhas Juninas. Na competição, o grupo Abalantes do Sertão alcançou o primeiro lugar no ranking de classificação e irá representar Barra do Garças na grande final entre os dias 21 e 24 de julho.

O evento foi realizado pela Federação Mato-grossense de Quadrilhas Juninas (FMTQ) com apoio da Prefeitura Municipal de Barra do Garças e reuniu centenas de pessoas na feira coberta da cidade.


Além do Abalantes do Sertão, também se apresentaram os grupos Flor do Araguaia e Junina Texas, que alcançaram a 7ª e a 15ª colocação, respectivamente, no ranking do festival – garantindo também a participação na final da competição.

A presidente da Federação Mato-grossense destacou que já é a segunda vez que o festival passa por Barra do Garças, mas é a primeira vez com organização local, comandada pela secretaria municipal de Cultura. “Temos que parabenizar a equipe, pois isso é sinal que a administração está investindo na juventude em termos culturais e esportivos; e nós sabemos que investir na juventude é investir no futuro”, disse.

Leia Também:  Fazendeiros tentaram impedir aprovação da Lei do Ventre Livre


O secretário municipal de Cultura, Alex Mattos, celebrou a conquista da junina barra-garcense e ressaltou o compromisso da administração com o desenvolvimento cultural das quadrilhas juninas. “O prefeito está de parabéns por reconhecer a importância de todas as vertentes culturais e o grupo Abalantes do Sertão pode contar com a nossa torcida na final e com o nosso apoio no ano que vem, para voar ainda mais alto”, completou.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA