Economia

Fecomércio prevê mais de R$ 2 bilhões na economia de MT por conta do décimo terceiro

Segunda parcela do 13° salário precisa ser paga até o dia 20 de dezembro.

Publicados

Economia

Um estudo prévio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá identificou que ao receber a primeira parcela do décimo terceiro as pessoas vão priorizar o pagamento das dívidas, outros vão preferir pagar conta e economizar o dinheiro extra.

  • Pagar dívidas – 32,2%
  • Fazer novas compras – 23,8%
  • Economizar 21,7%

 

“Quem tiver dívida, o ideal é renegociar e pagar esses valores. As pessoas pagando suas dívidas diminuirá a inadimplência e o juros do crédito também devem cair, uma vez que a inadimplência é um dos principais fatores que elevam a taxa de juros”, disse o economista Emanuel

O levantamento da CDL mostra ainda que a última parcela do décimo terceiro, que costuma sair perto do Natal, será usada pela maioria dos entrevistados para comprar presentes. Mas, é preciso ficar atento com as tentações.

Segundo o economista, a dica é fazer cálculos e ficar de olho nos juros cobrados pelo cartão de crédito.

Segundo a Fecomércio, a projeção é positiva para este ano. A entidade destaca que o avanço da vacinação proporcionou a retomada da economia.

Leia Também:  Governo vende mais reservas para tentar segurar o dólar após fala desastrosa de Guedes sobre domésticas na Disney

Mais de R$ 2 bilhões serão injetados na economia de Mato Grosso com o pagamento do décimo terceiro.

“Os empresários esperam muito deste final de ano, os comércios estão preparados para receber os consumidores que estão sedentos por compras, em função da paralisação devido à pandemia da Covid-19”, disse o presidente da Fecomércio, José Wenceslau Souza Júnior.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

AL aprova redução de ICMS sobre energia, combustível e telefonia

Medida proposta pelo Governo do Estado passará a valer a partir de janeiro do ano que vem

Publicados

em

A Assembleia Legislativa aprovou, em segunda votação, o projeto de lei que reduz a alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a energia elétrica, telefonia, gás industrial e combustíveis.

O “pacotão” do ICMS, como se tornou conhecido, foi anunciado pelo governador Mauro Mendes (DEM) em setembro deste ano e, após ser sancionado, será válido a partir de janeiro de 2022.

Na conta de luz, que é uma das maiores demandas da população, o ICMS cobrado vai cair de 27% para 17%.

No setor de comunicação, a tarifa cobrada também será de 17%. Até então, o valor do ICMS sobre a telefonia fixa é de 25% e sobre celular e internet, 30%.

 

Estamos abrindo mão de arrecadar R$ 1,2 bilhão por ano para que esse dinheiro continue no bolso do cidadão

Sobre os combustíveis, o Estado passará a ter a menor alíquota de ICMS sobre a gasolina, que passará de 25% para 23%.

O diesel e o gás industrial também terão redução. Hoje, a cobrança é de 17% e passará a ser de 16% para o diesel e de 12% para o gás.

Leia Também:  Presidente da Aprosoja depõe hoje na PF em Brasília

Conforme os cálculos do Governo, o impacto redutor no ICMS será de 10%, no caso da gasolina (- R$ 0,16 litro), e de 7% no caso do diesel (- R$ 0,06 litro).

A aprovação foi celebrada pelo governador, que agradeceu os parlamentares e lembrou que o Estado deixará de arrecadar, a partir de janeiro, R$ 1,2 bilhão por ano.

“Estamos abrindo mão de arrecadar R$ 1,2 bilhão por ano para que esse dinheiro continue no bolso do cidadão. Se o Estado está melhor, é questão de justiça reduzir a conta para a população”, afirmou Mendes.carr

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA