Economia

Governo de MT reduz ICMS, mas Petrobras aumenta novamente o preço dos combustíveis

Publicados

Economia

FOTO: Agência Brasil
Já está vigente em Mato Grosso, desde o dia 1º de janeiro, a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a gasolina e o diesel, promovida pelo Governo do Estado. Com as reduções, a gasolina deveria ficar R$ 0,16 mais barata e o diesel R$ 0,06.
No entanto, nesta quarta-feira (12.01) entraram em vigor novos reajustes nos combustíveis anunciados pela Petrobras. O preço do litro da gasolina vendido para as distribuidoras nas refinarias terá reajuste médio de 4,85%. No caso do diesel, o aumento será de 8,08%.
Isso significa que o preço da gasolina para as distribuidoras passará de R$ 3,09 para R$ 3,24 o litro. Já o valor do diesel passará de R$ 3,34 para R$ 3,61 o litro.
No acumulado de reajustes desde 2021, a gasolina ficou 47,49% mais cara e o óleo diesel de 46,04%. Em dezembro de 2020, a gasolina custava R$ 1,84, nas refinarias, e o diesel, R$ 2,02.
Conforme o secretário de Fazenda de Mato Grosso, Rogério Gallo, a Petrobras deveria mudar a política de preços dos combustíveis. Desde 2016, os valores da gasolina e do diesel estão vinculados às flutuações do preço do barril de petróleo no mercado internacional e pelo câmbio.
“Podemos ver que o problema nunca foi o ICMS sobre os combustíveis. Todo o esforço do Governo do Estado para aliviar o bolso do cidadão cai por terra com essa política de preços da Petrobrás. Esse é o grande problema e se o governo federal não criar um fundo soberano para a Petrobras, para que os preços não sejam impactados, o preço vai continuar subindo na bomba e quem já está sendo prejudicado é o cidadão”, pontuou Gallo.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  TJMT e MPE sinalizam reajuste salarial igual ao Supremo
Propaganda

Economia

Entrevista de Lula derruba dólar e provoca onda de otimismo nos mercados

Declarações de Lula à mídia independente sobre reconstrução nacional e Alckmin acalmam mercado

Publicados

em

Em meio à recepção da entrevista do ex-presidente Lula à mídia independente, em que ele falou sobre a reconstrução nacional que será conduzida se eleito, o dólar opera em forte queda ante o real, em uma valorização da moeda nacional, nesta quarta-feira (19). Lula também falou sobre sua possível aliança com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido). “Não há problemas” em tê-lo como vice, disse Lula.

Por volta de 16h30, a divisa americana tinha baixa de 1,69%, negociada a R$ 5,4659, após operar no patamar de R$ 5,52 por volta de 11h15.

Existe ainda a percepção de um ambiente mais positivo para ativos de risco no exterior, com os recentes anúncios do banco central americano (Fed) sobre o aumento da taxa de juros nos EUA. A tendência é o dólar se valorizar

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Jornalista que jogou bebida em PM é solta, mas usará tornozeleira em MT
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA