Economia

Município de Barra do Garças sai da zona vermelha e entra na zona verde de bom pagador, afirma tesouro nacional

Publicados

Economia

A Prefeitura de Barra do Garças divulgou, nesta quarta-feira (04), a nova classificação do município no portal Tesouro Nacional Transparente, que analisa a capacidade de pagamento (CAPAG) dos municípios baseado em indicadores fiscais. Por muitos anos a cidade esteve na classificação C, na zona vermelha, e hoje se encontra na posição mais elevada, a classificação A.

O portal Tesouro Nacional Transparente leva em consideração três indicadores: de endividamento do município, de despesas e receitas e de disponibilidade de caixa. A avaliação é importante para que os Estados e Municípios possam conseguir crédito com garantia da União, junto à Secretaria do Tesouro Nacional.

De acordo com a metodologia aplicada pela CAPAG, os municípios classificados com a nota A apresentam baixo risco de crédito para o Tesouro Nacional, caso desejem tomar empréstimos.

A Prefeitura de Barra do Garças já havia melhorado a classificação do município em 2021, quando subiu para nota B. Agora, a administração reforça ainda mais sua estabilidade contábil e a saúde fiscal do município, atingindo a nota máxima na avaliação do portal.

Leia Também:  Clientes formam fila "quilométrica" em supermercado de Cuiabá

O prefeito de barra Dr. Adilson Gonçalves, informou que o objetivo da gestão é manter a responsabilidade fiscal para que os investimentos não se tornem momentâneos. “Planejamento e organização são duas palavras-chave, então primeiro a gente põe a casa em ordem, como fizemos, depois a gente amplia os investimentos com os recursos disponíveis”, completou.

Para o secretário de Finanças, Fábio Tadeu Weiler, a elevação da classificação do município é resultado do compromisso que a administração atual tem perante o contribuinte. “Estamos apenas cumprindo o nosso papel, buscando sempre o máximo de excelência”, afirmou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Governo de Mato Grosso cumpre metas fiscais e alcança equilíbrio econômico

Receita pública teve incremento de 20,05% em 2021 e a repasse aos municípios aumentou 40,54%

Publicados

em

O secretário de Estado de Fazenda, Fábio Pimenta, apresentou nesta quinta-feira (12.05) o relatório das metas fiscais referentes ao 3º quadrimestre de 2021. Os dados evidenciaram que as medidas adotadas nos últimos anos pelo Governo de Mato Grosso resultaram no equilíbrio fiscal e econômico, e no aumento de investimentos com recursos próprios que beneficiam o cidadão em todas as áreas.

A apresentação ocorreu de forma virtual, durante audiência pública para a Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária (CFAEO), da Assembleia Legislativa (ALMT). Os dados apresentados estão disponíveis no site da Sefaz.

“Com essa apresentação, ficou demonstrado as medidas tomadas na gestão fiscal nos últimos anos conduziram o Estado ao equilíbrio fiscal. Todo esse trabalho realizado para melhorar a receita e controlar os gastos públicos fez com Mato Grosso atingisse o patamar de 15% em investimentos com relação a receita corrente líquida. Investimentos em saúde, segurança, educação, obras e também no social”, afirma o secretário Fábio Pimenta.

De acordo com os dados apresentados na audiência pública, a receita total no ano 2021 foi de R$ 28.595,06 bilhões, registrando um crescimento de 20,05% em relação a 2020, quando a receita foi de R$ 23.819,63 bilhões. O aumento foi registrado, também, na receita tributária que teve uma variação positiva de 38,29%, passando de R$ 15.652,09 bilhões em 2020 para R$ 21,645,01 bilhões em 2021.

Leia Também:  Santa Cruz do Xingu tem a gasolina mais cara do Norte Araguaia, revela pesquisa

O aporte dessa maior arrecadação permitiu que houvesse um aumento de 40,54% no repasse aos 141 municípios. Só em relação ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – principal fonte de arrecadação própria – foram repassados R$ 4.632,07 bilhões em 2021, 46,04% a mais que os R$ 3.171,84 bilhões transferidos em 2021.

Em relação ao ICMS, houve um incremento na arrecadação dos setores da agropecuária que aumentou 60% em relação ao terceiro quadrimestre 2020, comércios e serviços que cresceu 46% e a indústria que teve aumento de 59%. Esse crescimento colocou o Estado na posição de maior produtor de etanol de milho, em virtude de políticas públicas de incentivo fiscal. As exportações também registraram uma alta de 18% no mesmo período.

Já os investimentos no estado de Mato Grosso chegaram a quase R$ 4 bilhões e passaram a representar 15,18% da receita corrente liquida, mais que o dobro de 2020 quando era o equivalente a 7%. Esses recursos foram aplicados em ações e obras em todas as áreas e para todas as regiões de Mato Grosso.

Leia Também:  BR-163 em Mato Grosso tem 117 quilômetros duplicados liberados para motoristas

Durante sua fala, o secretário de Fazenda ressaltou ainda que, em 2020, Mato Grosso conquistou pela primeira vez nota A na Capacidade de Pagamento (Capag), uma classificação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), e manteve a nota máxima em relação às contas públicas de 2021. “Em 2021 recebemos mais uma vez a nota “A” da Secretaria do Tesouro Nacional para capacidade de pagamento”.

A Capag mede o endividamento, a poupança corrente e o índice de liquidez do Estado e a avaliação final deve ser divulgada até o mês de junho pelo Tesouro Nacional. Assim como os investimentos realizados com recursos próprios, essa avaliação positiva é uma conquista histórica para Mato Grosso, que vinha de um cenário de descontrole das contas públicas que perdurava há dez anos.

Audiência pública

A audiência foi presidida pelo presidente da CFAEO, o deputado Carlos Avalone, em atendimento a uma recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) enviada à Assembleia Legislativa, e cumpre o disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Participaram da audiência os secretários adjuntos e equipe técnica da Sefaz, além de representantes da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e da Defensoria Pública.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA