Educação

Entidades públicas se reúnem para discutir vacinação em massa nas escolas em MT

No encontro, serão apresentadas informações sobre a realidade da educação, além da apresentação da defesa do retorno das aulas presenciais somente após a vacinação de servidores e estudantes.

Publicados

Educação

Um grupo de entidades públicas ligadas à educação nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul vai realizar uma audiência pública, na próxima segunda-feira (7), para discutir a vacinação em massa durante a pandemia da Covid-19.

Com o tema ‘Vacinação e os desafios da educação na pandemia’, a audiência acontecerá de forma virtual, às 14h.

De acordo com os organizadores, a reunião será feita, de forma conjunta, pela Comissão de Educação das Assembleias Legislativas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e da Câmara dos Deputados e Deputadas, por meio da iniciativa das entidades da educação dos dois estados.

Na audiência, os sindicatos e demais entidades apresentarão informações sobre a realidade da educação nos respectivos estados, além da apresentação da defesa do retorno das aulas presenciais somente após a vacinação de toda comunidade escolar.

Segundo representantes das entidades, retomar as aulas presenciais com o atual índice de imunização da população coloca toda a comunidade escolar em risco, aumenta as chances de um novo pico da pandemia, além de poder ocasionar o surgimento de novas variantes da Covid-19.

Leia Também:  Brasil registra mais de 480 mil mortes por Covid-19, com 2.344 em 24h

O evento faz parte de uma série de ações conjuntas de órgãos educacionais dos dois estados em defesa da volta às aulas com segurança, ou seja, apenas após a vacinação em massa.

Na última quarta-feira (19), houve mobilizações em várias cidades dos dois estados para divulgação de uma Carta Aberta das Entidades da Educação.

Também participarão da Audiência Pública os deputados estaduais por Mato Grosso Lúdio Cabral (PT) e Valdir Barranco (PT), o deputado estadual por Mato Grosso do Sul Pedro Kemp (PT), a/os deputada/os federais Rosa Neide (PT/MT), Vander Loubet (PT/MS) e Dagoberto Nogueira (PDT/MS). Também estará presente um representante da área da Saúde.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Educação

Com possível 3ª onda, Governo adia aulas presenciais até agosto

Alto índice de ocupação de UTIs e início da vacinação dos professores são principais motivos

Publicados

em

O governador Mauro Mendes (DEM) decidiu, na tarde desta sexta-feira (28), suspender o retorno das aulas na modalidade híbrida, marcado para a próxima semana. A decisão foi tomada em conjunto com o secretário de Estado de Educação, Alan Porto, em uma reunião no Palácio Paiaguás.

 

De acordo com o secretário, as aulas vão continuar na modalidade não presencial até o fim deste semestre.

 

Segundo Porto, o principal motivo para a suspensão é o alto índice de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a volta do crescimento de casos e mortes, com o início da terceira onda da Covid-19.

 

Atualmente, 18 Municípios estão com risco muito alto de contágio pela Covid. Cuiabá e Várzea Grande estão na lista dos 123 municípios de Mato Grosso que estão classificadas na categoria alto de risco.

 

Desta forma, nenhuma cidade do Estado está em situação moderada ou de baixo risco.

Anteriormente, a decisão era de que as aulas retornassem nesse modelo em cidades onde o risco de contaminação estivesse baixo.

Leia Também:  Juiz nega sequestrar soja de ex-deputado, mas manda pagar dívidaEmpresa cobra que Zeca Viana cumpra contrato e forneça 143.841 sacas de soja

 

Vacinação dos professores

 

Segundo Alan Porto, outro fator que contribuiu para o adiamento é o início da vacinação dos profissionais da educação. O Governo conseguiu autorização para imunização após o término da vacinação dos profissionais da Segurança Pública.

 

A liberação foi dada pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), em reunião colegiada, na tarde desta quarta-feira (19).

 

A previsão é de que, após o recesso escolar do meio do ano, em agosto, os alunos retornem na modalidade híbrida, quando os servidores já devem estar imunizados.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA