Infância

Casos de abandono de incapaz crescem 17% em MT

Abandonar uma pessoa que está sob seus cuidados e que não consegue se defender sozinha é crime previsto no Código Penal Brasileiro e pode levar à prisão por até 3 anos.

Publicados

Infância

O crime de abandono de crianças e adolescentes cresceu 17% em Mato Grosso entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Polícia Civil. Em grande parte dos casos, os menores de idade são criados somente pela mãe e são deixadas sozinhas em situação de risco.

Abandonar uma pessoa que está sob seus cuidados e que não consegue se defender sozinha é crime previsto no Código Penal Brasileiro e pode levar à prisão por 6 meses a 3 anos.

“O crime de abandono de incapaz é um delito próprio que tem que ser cometido por uma pessoa com vínculo especial com a vítima, que tenha uma relação de guarda, de autoridade, de vigilância ou de cuidado com a vítima e consiste na conduta de abandonar a criança, o adolescente ou o incapaz e deixá-lo ao desamparo, expondo-o a situação de risco”, disse a delegada Mariell Antonine Dias Viana.

Um caso recente de abandono de incapaz ocorreu em uma rua do bairro Vila Operária, em Várzea Grande. Quatro crianças em situação de abandono foram resgatadas, as duas menores andando sozinha pelas ruas.

Leia Também:  Bolsonaro em desvantagem deixa líderes em MT em cima do muro

Outro caso que chamou a atenção aconteceu no bairro Altos da Serra, em Cuiabá, em julho. Uma criança de 2 anos que estava sozinha em casa precisou se esconder em uma geladeira para fugir do fogo que tomou o imóvel. A mãe disse que tinha ido a uma festa.

Acolhimento

 

Uma casa de acolhimento em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, recebe meninas que foram vítimas de algum tipo de abandono. No local, elas recebem aulas particulares e aconselhamento.

“Todas elas tiveram, de alguma maneira, esse direito violado. Seja violência sexual, seja violência doméstica, seja por falta de condições. A maioria delas é por vulnerabilidade econômica. Ou seja, a maioria delas é de famílias monoparentais, a maioria delas convive com a mãe, essa mãe tem que trabalhar e essa menina, essa criança, esse adolescente, fica vulnerável às condições sociais do entorno dela”, disse Maique Ribeiro, psicólogo do local.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Infância

Operação integrada combate exploração sexual de crianças e adolescentes em Barra do Garças

A denúncia de casos de abuso ou exploração sexual pode ser feita pelo Disque 100.

Publicados

em

Conhecido como “maio laranja”, o quinto mês do calendário é marcado pela união de ações de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Em Mato Grosso a Secretaria de Segurança Pública lançou a operação Parador 27, integrando as policias Civil e Militar na prevenção e repressão imediata dos crimes que envolvem exploração sexual de crianças e adolescentes.

Em Barra do Garças a Operação teve início na noite de terça-feira (26), com a intensificação de modo ostensivo e preventivo das abordagens em diferentes locais da cidade, e do município vizinho, Pontal do Araguaia (MT), que também recebe a atuação da ação integrada.

Na primeira noite foram vários estabelecimentos comerciais visitados com a abordagem à dezenas de pessoas, no entanto, nenhuma irregularidade foi constatada.

Embora ao longo do ano sejam desenvolvidas campanhas e ações contra o abuso sexual de crianças e adolescentes, o mês de maio é referência.

O dia 18 de maio é o Dia Nacional de combate à essa prática. Um dia para o fortalecimento da conscientização da sociedade e autoridades sobre a gravidade da violência sexual de meninos e meninas.

Leia Também:  Parceria da Assistência Social e Rotaract Club beneficia estudantes de Barra do Garças

A data não foi escolhida aleatoriamente. Ela dá visibilidade a um crime bárbaro que há 48 anos (1973) chocou o Brasil, quando a menina Araceli Cabreira Sanches, de apenas oito anos de idade, foi raptada, drogada, espancada, estuprada e morta por jovens de uma tradicional família capixaba, de classe média alta, em Vitória, no Espírito Santo. O crime, apesar de toda repercussão ficou impune.

A denúncia de casos de abuso ou exploração sexual pode ser feita pelo Disque 100. A ligação é gratuita e pode ser feita de forma anônima. O serviço está disponível 24 horas, todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados.

Fonte: Rede da Noticia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA