a

Jurídico

Quadrilha de policiais extorquiu empresário por sexo com menores em MT

Dono de postos de combustíveis foi vítima do chamado “Golpe do Motel”

Publicados

Jurídico

Um empresário, dono de uma rede de 14 postos de combustíveis em Mato Grosso, teria sido vítima do chamado “Golpe de Motel”. Ele mantinha relações sexuais com adolescentes que eram cooptadas por uma quadrilha de policiais civis e militares, que extorquiam outros criminosos, e faziam com que as menores de idade coagissem suas “vítimas” a ingerir drogas que as faziam dormir (Boa Noite Cinderela).

A informação consta de um despacho publicado nesta sexta-feira (6), da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, que determinou a publicação por edital de dois réus de uma ação penal derivada da operação “Renegados”, que revelou a quadrilha de policiais. Reinaldo do Nascimento Lima, o “Rei”, e Vanderson Lauro Rodrigues de Souza, ainda não foram citados pelo Poder Judiciário Estadual para responder ao processo em razão de não terem sido localizados pelos oficiais de justiça.

De acordo com a publicação, o empresário, proprietário da rede de postos de combustíveis, se relacionava com duas adolescentes – uma delas com 14 anos de idade. Os encontros tinham início num shopping de Várzea Grande e terminavam num motel da mesma cidade.

O processo tramita em sigilo na justiça estadual. “O empresário passou a trocar mensagens e a realizar encontros sexuais com as menores (ambas adolescentes na época dos fatos), com as quais se encontrou em conjunto e também separadamente. Por oportunidade da abordagem retratada nesta ação penal, após combinar a realização de um programa sexual, apanhou em seu veículo a menor (14 anos de idade na época dos fatos) em frente ao Shopping, e, após, seguiu com ela para as dependências do motel, com o propósito de manterem relações sexuais”, diz trecho do despacho.

Leia Também:  Com nova alta, Barra do Garças tem 265 casos ativos de Covid-19

Segundo as investigações que revelaram os crimes, conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), a quadrilha de policiais civis e militares extorquiam traficantes de drogas, aplicavam golpes contra outros golpistas, e também exploravam menores de idade, por meio de prostituição infantil. Segundo um depoimento, apontado como um dos “apoiadores” da quadrilha, menores de idades eram cooptadas pelo bando para aplicar o chamado “Golpe do Motel”.

Neste caso, mulheres atraem homens até os motéis e misturam drogas nas bebidas que “apagam” as vítimas. “Normalmente o grupo atuava com o emprego de arma de fogo […] as ações consistiam em apreender entorpecentes, extorquir traficantes para não serem presos além de outras extorsões de golpistas e ainda extorsões envolvendo menores de 18 anos com clientes em motéis (golpe de motel)”, diz trecho da denúncia.

OPERAÇÃO RENEGADOS

A juíza da 7ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça (TJMT), Ana Cristina Silva Mendes, aceitou uma denúncia contra 25 policiais e ex-policiais, civis e militares, além de “apoiadores” e “informantes”, que fariam parte de uma organização criminosa que atuava na Polícia Judiciária Civil (PJC) de Mato Grosso. Os réus são acusados de concussão (receber ou exigir propina em razão do cargo que ocupam), roubo (com uso de arma de fogo, sob violência, mantendo as vítimas sob seu poder), além de “importar, produzir, transportar ou vender drogas”.

Leia Também:  A guerra e impactos nas commodities, fertilizantes e combustíveis

A decisão da juíza Ana Cristina Silva Mendes, publicada em 31 de maio de 2021, aponta ainda que a organização criminosa utilizou menores de idade para cometer os crimes. Tornaram-se réus Edilson Antônio da Silva, Alan Cantuário Rodrigues, Júlio Cesar de Proença, Paulo da Silva Brito, Rogério da Costa Ribeiro, André Luis Haack Kley, Frederico Eduardo de Oliveira Gruszczynski, Dhiego de Matos Ribas, Evanir Silva Costa, Raimundo Gonçalves Queiroz e Domingos Sávio Alberto de SantAna.

Ainda fariam parte da organização criminosa Reinaldo do Nascimento Lima, Natália Regina Assis da Silva, Manoel José de Campos, Jovanildo Augusto da Silva, Genivaldo de Souza Machado, Neliton João da Silva, Adilson de Jesus Pinto, João Martins de Castro, Delisflavio Cardoso Bezerra Da Silva, Sandro Victor Teixeira Silva, e Kelle de Arruda Santos, que também viraram réus no processo.

Segundo informações da decisão que aceitou a denúncia, a organização criminosa era dividida em quatro subgrupos – núcleo de integrantes da Polícia Judiciária Civil, núcleo de ex-integrantes da Polícia Judiciária Civil, núcleo de apoio aos integrantes e ex-Integrantes da Polícia Judiciária Civil e núcleo dos informantes. O MPMT revela que pelo menos 12 ações criminosas foram realizadas pelo grupo.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Jurídico

CONFRESA- TJ mantém rejeição de contas do ex-prefeito Gaspar que vendeu lotes da União

Gaspar Lazari foi alvo de operação da PF por ilegalidade em venda de imóveis destinados a reforma agrária

Publicados

em

A Segunda Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça (TJMT) manteve a rejeição das contas do ex-prefeito de Confresa (1.167 KM de Cuiabá), Gaspar Domingos Lazari, referentes ao exercício de 2016. Os magistrados seguiram por unanimidade o voto do juiz convocado para atuar na segunda instância do Poder Judiciário de Mato Grosso, Gilberto Lopes Bussiki. A sessão de julgamento ocorreu em 10 de maio de 2022.

Gaspar Domingos Lazari teve as contas rejeitadas pela Câmara Municipal de Confresa, que promulgou um decreto legislativo no ano de 2019 com esse fim. O ex-gestor defendeu que não lhe foram assegurados os princípios do “contraditório” e da “ampla defesa”, basilares do Direito.

Em seu voto, porém, o juiz Gilberto Lopes Bussiki esclareceu ao ex-prefeito que ele foi devidamente citado para apresentar sua defesa na sessão legislativa que culminou no decreto que rejeitou suas contas. O magistrado também lembrou que o Tribunal de Contas do Estado (TCE/MT) já havia emitido um parecer prévio desfavorável a aprovação, apontando indícios de “irregularidades gravíssimas”.

Leia Também:  Bolão de MT crava 15 números na Lotofácil; grupo dividirá R$ 514 mil

“O agravante foi devidamente citado acerca do processo de julgamento das contas junto à Câmara Municipal de Confresa, bem como para, querendo, se manifestar no prazo de 15 dias a respeito do processo encaminhado pelo TCEMT, inclusive de seu parecer prévio contrário à aprovação das contas […] Vale ressaltar, que o Tribunal de Contas emitiu parecer prévio contrário à aprovação das contas com fundamento em diversas irregularidades de natureza gravíssimas, praticadas pelo agravante”, esclareceu o magistrado.

OPERAÇÃO

Gaspar Domingos Lazari foi alvo da operação “Usurpare”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em março de 2022, suspeito de vender imóveis públicos destinados a reforma agrária e a regularização fundiária, doados pela União.

Num dos casos revelados pelas investigações, Gaspar Domingos Lazari adquiriu um imóvel do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), pelo valor de R$ 24,5 mil. Dois meses depois, a propriedade rural foi comercializada por R$ 8,4 milhões.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA