BARRA DO GARÇAS

Meio Ambiente

Semana começa com frio, mas feriado será de calor em Cuiabá

Nesta segunda, termômetros marcarão 12ºC

Publicados

Meio Ambiente

Conhecida pelo seu tradicional calor, Cuiabá começará a semana no extremo oposto. A capital de Mato Grosso iniciou a segunda-feira (13) gelada, e terá mínima de 12°C, com máxima de 24°C durante o dia de hoje. O calor só deve voltar de forma sutil no feriado, na quinta-feira (16), segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A previsão do tempo para a semana é de dias ainda frios, principalmente na segunda e terça-feira (14). Para a segunda, os termômetros devem ficar entre 12°C e 24°C, em um dia com céu aberto e poucas nuvens, condições semelhantes a de terça, que terá mínima de 13°C e máxima de 26°C.

Na quarta-feira (15) os termômetros voltam a subir de forma leve e o dia terá mínima de 17°C e máxima de 30°C. O feriado de Corpus Christi, na quinta-feira, será de um leve calor, com temperaturas variando entre 20°C e máxima de 33°C.

A semana terminará com muitos cuiabanos aproveitando a sexta-feira com dia encoberto e um leve chuvisco. De acordo com o Inmet, a mínima ficará em 20°C e a máxima não passará de 32°C.

Leia Também:  Abalantes do Sertão vence classificatória do Festrilha 2022, lidera ranking estadual e vai representar Barra do Garças na final

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Meio Ambiente

AL vota liberação de caça esportiva em MT; ambientalistas temem extinção

Publicados

em

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso vota nesta quarta-feira, 10, o Projeto de Lei n. 16/2022, que autoriza a caça esportiva em todo o estado de Mato Grosso. De autoria do deputado estadual Gilberto Cattani (PL), o texto revoltou as entidades de defesa dos animais, que classificou o projeto como um retrocesso.

O PL recebeu parecer favorável da Comissão de Agropecuária, Desenvolvimento Florestal e Agrário e de Regularização Fundiária, sob relatoria do deputado Xuxu Dal Molin (União Brasil). No texto, o PL diz que os objetivos do PL é fomentar o espírito esportivo; aumentar a interação entre o homem e a natureza; promover o controle populacional de espécies consideradas ameaça ao meio ambiente, à agricultura ou à saúde pública; incentivar a conservação e manutenção de habitats; e conservar espécies ameaçadas de extinção.

“Proibir a caça em nada resolve os problemas ocasionados pela caça ilegal e ainda retira a possibilidade de se ter uma atividade rentável para o Estado, feita por caçadores legalmente licenciados que, em último nível, também serão ferramentas importantes no combate à caça ilegal e ao tráfico de animais silvestres”, diz em sua fundamentação.

Leia Também:  Festa cultural agitou São Félix do Araguaia neste final de semana com apresentação de quadrilha e campeonato de bozó

Caso o texto seja aprovado, a caça poderá ocorrer em áreas públicas e privadas, sob autorização para a prática. O texto proíbe a comercialização de produtos oriundos da caça esportiva e a utilização de equipamentos em desacordo com o regulamento.

Para defender o projeto, o deputado citou que o javali é o único animal com caça permitida no país. Ele cita que o suíno causa grandes problemas por onde passa, devido ao seu perfil invasor, adaptativo, predatório e altamente reprodutivo.

Apesar disso, Cattani não delimita a caça a animais com perfis semelhantes, nem mesmo aponta uma relação de espécies que poderiam ser abatidas, deixando essa responsabilidade para o Poder Executivo. Por fim, o projeto, que autoriza o assassinato de animais, proíbe os maus-tratos.

O relator do projeto na Comissão de Agropecuária, Xuxu Dal Molin, se limitou a mencionar que não há legislações em contrário ao projeto. De resto, o deputado apenas repetiu as alegações já usadas por Cattani.

Uma das instituições em defesa dos animais, É o Bicho MT, classifica o projeto como cruel, inconstitucional e retrógrado. “É constitucionalmente vedada a adoção de práticas que provoquem a extinção de espécies e submetam os animais a crueldade. A caça é ato cruel com os animais e contribui para a extinção de espécies, inexistindo justificativa que sustente a possibilidade de tirar a vida de um animal por esporte ou lazer”, menciona em sua página no Instagram.

Leia Também:  Botelho cita “confusão” e alerta Mendes sobre demora em decidir palanque

A organização ainda pontua que a liberação da caça pode não só impactar esses animais, vítimas do PL, como também os seres humanos, já que estudos científicos apontariam que a prática é um dos principais fatores para o surgimento de zoonoses, doenças que são transmitidas de animais para seres humanos. A preocupação é que a autorização da caça, além de cruel contra os animais, ainda contribua para a extinção de animais já ameaçados de desaparecerem. Entre eles: a onça-pintada, o tamanduá bandeira e a anta, entre outros presentes nos três biomas presentes no estado: Cerrado, Pantanal e Amazônia.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA