Negócios

Pé de Picolé inova com diferentes sabores e montagens personalizadas – saiba mais

Publicados

Negócios

aiu do pé, virou picolé. Picolé de bocaiúva, jabuticaba, manga, cajamanga, goiaba e outros sabores. Todos eles em versões tradicionais, ao leite e especiais, que também podem ser cobertos com calda de chocolate belga, branco ou de brigadeiro. Isso sem deixar de lado os confeites.

Tudo em um espaço onde os clientes podem criar suas próprias combinações, o que permite mais diversidade, além de um colorido que quase nunca escapa de um registro no instagram, pois os clientes não pedem a oportunidade de fotografar a proposta diferenciada.

Uma das proprietárias é Halyni Teodoro, 42 anos, e conta à reportagem que desde que a marca foi sonhada pela sua mãe e tio em 2004, revelava fortes emoções, e não só de sabores. Isso porque a história da família é temperada de simplicidade e fé, quintais grandes e frutos colhidos a mão.

O ato de transferir afeto para o palito, antes de qualquer combinação, começa no atendimento. A simpatia de Halyni é singular desde o primeiro contato. Nem só de picolé se fez a marca, mas em quase todas as receitas que podem virar a partir das frutas, como sorvetes, milkshakes e até açaís.

A entrevistada acredita que o picolé é lúdico e marcou a infância de muita gente. Em todas as suas próprias recordações, ela também menciona o amor de sua mãe Nicinha.

Veja vídeo da personalização

Leia Também:  Carrefour prevê investir no mercado de peixe em MT

https://youtu.be/dcbpRvwLidU

Ela quem trabalhou firme na marca, desde o começo, e segue até hoje. Nicinha transmite toda essência do negócio aos funcionários, quando ganhou todo maquinário do irmão, propôs que aquilo transformasse suas vidas. “Acreditamos que se uma pessoa é bem tratada, ela volta. Todos os funcionários são conscientes desse processo que começa na colheita do fruto, vira picolé e continua no balcão enquanto os clientes conversam com elas”, comenta. 

Queremos que seja fácil e doce assim como colher o fruto do pé

Halyni Teodoro

O atendimento é mesmo diferenciado, e dá protagonismo para quem se aproxima em qualquer uma das lojas. “Queremos que seja fácil e doce assim como colher o fruto do pé. No pomar, as pessoas escolhem as frutas, aqui escolhem como irão querer o picolé. Os picolés são frutas maduras”, acredita.

Troca de nome e premiação

Antes, conhecida como Frutos da Terra. Hoje, com o nome Pé de Picolé, traz inovações de marca junto às receitas que se ampliam através dos anos.  Enquanto conversa com o , explica que os doces são também uma forma de afeto, e o que a empresa propõe é também resgataras memórias de infância de quem passa prova as receitas.

Prestes a completar um ano da troca de nome, Halyni comenta que a marca já ganhou destaque e premiação do a nível nacional de inovação do Sebrae. “Acredito que isso também é fruto, literalmente, do nosso empenho. As consultorias ajudaram na otimização dos nossos trabalhos na fábrica e lojas. Não vendemos, nos relacionamos. Não são apenas picolés, são carinho”, acrescenta.

Leia Também:  Passageira de ônibus é presa transportando quase 1 kg de ouro em MT

Encomendas e carrinhos em eventos

Além das lojas físicas, a Pé de Picolé aceita também encomendas, e não só de picolés, mas também dos outros produtos que oferecem. Os picolés podem ser só da fruta, com um carrinho mais simples, e também com o atendimento personalizado para montá-los. O orçamento vai variar de acordo com os produtos e anseios de cada cliente. Os açaís, por exemplo, podem ser tradicionais ou em versões cremosas.

Além da loja mais jovem, que fica no Estação Shopping, a mais antiga é no bairro Jardim Cuiabá e a maior na Avenida do Cpa. Os valores dos picolés variam de R$ 4 a R$ 11, dos mais básicos aos mais simples. Os montados na hora com direito a caldas e confeites também podem receber calda extra, por mais R$ 1. Enquanto prepara um dos picolés para a reportagem, Halyni mostra delicadeza ao manusear cada ingrediente. “O sabor é mesmo de fruta fresca, não é?”, questiona.

Na boca o gosto de jabuticaba, mas o palito alcançou com um frescor o coração.


COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Negócios

Governador vai à Bolívia participar de Expocruz e Pivetta assume comando do Paiaguás por dois dias

Publicados

em

O goverrnador Mauro Mendes (DEM) estará na Bolívia, em Santa Cruz de La Sierra, para participar da feira Expocruz nesta sexta-feira e sábado (17 e 18). O chefe do Executivo irá acompanhado do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB) e alguns secretários de estado. Com essa oportunidade, o vice-governador, Otaviano Pivetta (sem partido) comandará o estado pela primeira vez.

Mauro foi convidado para participar do evento após assinar a tratativa de compra do gás natural boliviano. Com isso, ele também abrirá o mercado mato-grossense para outros países participantes do evento. São esperados na feira países como Argentina, Chile, Espanha, França, Estados Unidos e Índia, além de Brasil.

A feira começa nesta sexta-feira e segue até o dia 26 de setembro. Ano passado ela não foi realizada por conta da pandemia. Os principais expositores fazem parte da indústria automobilística, da construção, agricultura, têxtil ou alimentícia, entre outras.

Participação

Mato Grosso terá um estande na feira, onde serão divulgadas as potencialidades econômicas e turísticas do estado. Além de prospectados novos investimentos e negócios do Estado e intensificado o intercâmbio comercial e cultural com os países que compõem a América do Sul.

Leia Também:  Quatro hoteis fecham na crise em MT; turismo volta ao normal só em 2023

No espaço, os participantes da feira vão conhecer mais de perto as ações empreendidas pelas Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec-MT), Secretaria Adjunta de Turismo (Seadtur-MT), Secretaria de Cultura, Esporte Lazer de Mato Grosso (Secel-MT).

A Sedec, por exemplo, apresentará na exposição o programa “Pensando Grande Para os Pequenos”, que tem como objetivo estimular e oportunizar a maior participação dos micros e pequenos negócios na formação do Produto Interno Bruto (PIB), na geração de renda e emprego de Mato Grosso, com efeito prático nas finanças públicas.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, César Miranda, a participação nesse tipo de evento é importante porque confere oportunidade para ampliar as relações com o comércio externo. “Eventos dessa natureza fazem parte da ação estratégica de internacionalização do governo de Mato Grosso. Essa é uma maneira de efetivar a integração com os países vizinhos para viabilizar políticas sociais, econômicas, culturais e ambientais que promovam o desenvolvimento para todos”, frisa.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA