Política

Apesar de manterem “aposentadoria”, ex-deputados pagarão custas de processo

Carlos Carlão Pereira do Nascimento tentou se livrar das custas alegando ter sido vitorioso

Publicados

Política

O juiz da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, Bruno D’Oliveira Marques, negou um recurso (embargos de declaração) de Carlos Carlão Pereira do Nascimento, deputado estadual em Mato Grosso no início dos anos 2000. Ele tenta na Justiça se livrar do pagamento das custas de um processo que declarou inconstitucional a concessão de uma pensão vitalícia a ex-parlamentares, do extinto Fundo de Assistência Parlamentar (FAP).

Em sua decisão, no último dia 2 de junho, o juiz explicou que o fato do ex-deputado se declarar “parte vencedora do processo” não afasta as obrigações das partes em razão de terem dado causa ao ajuizamento da ação.

Carlos Carlão Pereira do Nascimento se diz “vencedor” tendo em vista que o processo foi ingressado pelo Ministério Público do Estado (MPMT), que apontou que o pagamento era inconstitucional. Ocorre, no entanto, que a ação foi extinta pelo Poder Judiciário de Mato Grosso após o Supremo Tribunal Federal (STF) declarar a inconstitucionalidade da pensão vitalícia no âmbito de outro processo.

Leia Também:  Eleitores de 29 municípios de MT votam em urnas biométricas; outras 12 cidades terão votação híbrida

“O simples fato de o embargante se dizer ‘parte vencedora no processo’ não conduz, necessariamente, ao afastamento da obrigação de pagamento das custas processuais, tendo em vista que, no caso concreto, foi aplicado o princípio da causalidade, conforme claramente consignado na sentença. Ademais, na sentença embargada houve expressa menção de que a condenação dos requeridos ao pagamento das custas processuais se mostrava impositiva, pois a eles pertence o ônus da sucumbência porque deram causa ao ajuizamento da ação”.

A decisão do juiz não informa os valores que Carlos Carlão Pereira do Nascimento terá que “ratear” com os demais parlamentares que também fazem parte da ação. Ao todo, o processo conta com 19 ex-deputados estaduais. Apesar do STF declarar a inconstitucionalidade do benefício, porém, a pensão continua sendo repassada para quem já a recebia antes de uma decisão liminar do STF que suspendeu o pagamento, em 2017.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

DEM busca 5 cadeiras na Assembleia e 2 na Câmara

Publicados

em

Além de reeleger o governador Mauro Mendes, o presidente municipal do Democratas (DEM) e secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Beto Dois a Um, antecipou que a sigla trabalha para tentar conquistar 5 cadeiras na Assembleia Legislativa e 2 na Câmara de Deputados nas eleições de 2022. Nesta semana, o gestor comentou sobre as articulações políticas e enfatizou que a legenda tenta estruturar uma chapa forte para o próximo pleito.
“Vamos trabalhar para construir uma chapa forte para eleger 5 deputados estaduais e 2 deputados federais. Vamos manter o DEM no trilho da boa política para fazer o diálogo com a sociedade”, disse.
No mês passado, lideranças Democratas se reuniram pela primeira vez para debater sobre as eleições de 2022. O encontro aconteceu após forte pressão dos irmãos Júlio e Jayme Campos, que são os principais protagonistas da base executiva da legenda.

Na ocasião, além de discutirem sobre a estruturação da chapa de deputados federais e estaduais, os dirigentes também debateram sobre a eventual reeleição do governador Mauro Mendes (DEM). “Ficou estabelecido que vamos caminhar fortemente para que o governador saia candidato à reeleição, entendemos que os números dessa gestão vem trabalhando e os resultados que ela vem dando são o maior cabo eleitoral para o governador”, complementou.

Leia Também:  Especialista do MT Saúde destaca eficácia da fisioterapia para disfunção olfativa ocasionada pelo coronavírus

Por fim, Beto disse ainda que o partido não pensa em lançar candidato para a disputa ao Senado, justamente por já ter o senador Jayme Campos como representante do partido em Brasília. Com isso, a legenda prevê fechar uma aliança política para apoiar um outro nome.

“Eu imagino que talvez a vaga do Senado venha por uma composição pra que a gente amplie nosso arco de alianças aí”, finalizou.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA