a

Política

Bolsonarista José Medeiros se envolve em confusão no plenário e é xingado de babaca

Publicados

Política

deputado federal José Medeiros (PL) se envolveu em uma confusão na sessão da Comissão de Direitos Humanos nesta quarta (15). O parlamentar mato-grossense tenta interromper o discurso da deputada Taliria Pretino (PSOL), promove uma confusão, é provocado por Paulo Teixeira (PT) e o clima esquentou com os deputados quase indo às vias de fato. O caso repercutiu nas redes sociais e motivou um debate sobre apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) impedirem questionamento aos ministros.
A deputada federal do Rio de Janeiro direcionava sua fala ao ministro da Justiça, Anderson Torres, cobrando investigações sobre o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips, no Vale do Javari (AM). Citou também outros casos de violência no Brasil.

As últimas semanas foram marcadas por fatos que demonstram o horror que está em curso neste País.  Fatos esses Ministro que são parte de ações de agentes do estado, ou omissão por parte do agentes e do próprio Ministério, no meu entendimento. (…) estou falando do desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips que lamentavelmente, na região do Vale do Javari, que é uma área conhecida pela atuação de garimpeiros, pescadores ilegais e narcotraficantes”.
Contudo, Medeiros pede licença e abre o microfone para ressaltar que a parlamentar estaria fugindo do tema.

Medeiros briga C�mara

Leia Também:  BOLA FORA- Ao criticar governo, Deputado José Medeiros demonstra desconhecimento sobre rodovias de MT

A deputada responde que gostaria de ter a sua palavra respeitada. “O senhor não comece a tumultuar”, acrescenta em voz alta.

“Você fale do tema então. Você fale do tema”, responde Medeiros.

Com toda a gritaria, a sessão é interrompida e todos começam a discutir. No vídeo, é possível ouvir o deputado federal de São Paulo, Paulo Teixeira (PT) mandar José Medeiros ficar quieto. “Idiota. Babaca. Quer aparecer”, gritou.

Alguns parlamentares chegam a segurar os dois deputados, que se encaram por um tempo. “Nós votamos para falar desse tema”, encerra Medeiros.

À reportagem, Medeiros disse que agiu por uma questão de ordem, para respeitar o regimento.

“O requerimento foi feito para ouvir o ministro sobre o tema de Sergipe, sobre a Polícia Rodoviária Federal. E o regimento diz que  você só pode tratar estritamente do tema para qual o requerimento foi feito, você não pode tratar de outros temas”, explicou.

Segundo o deputado, o assunto sobre a morte de  Bruno Pereira e de Dom Philips está “na moda” e por isso foi levantado na Câmara.

Leia Também:  GEDDEL ENTREGA OS PONTOS E DECIDE DELATAR. ACIMA DELE, SÓ HAVIA TEMER

“Lógico que esse pessoal, eles se comportam que nem abutres, vivem de cadáveres, não importa se é cadáver de neto, de irmão, de esposa. Onde tem cadáveres, tem abutres fazendo comício. Acontece que o cadáver do Genivaldo já passou, já está vencido. Os cadáveres da moda agora são os do indigenista e do repórter do The Guardian. E eles queriam discutir isso. Eu pedi uma questão de ordem porque a deputada tratava de um tema totalmente diferente. Ela se levantou e veio na minha direção com ódio de madrasta, com olhos vermelhos, esbugalhados, gritando, e nisso toda a bancada deles se levantou e eu me levantei também”, concluiu Medeiros.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Projeto do Governo vai vetar uso de emendas em shows nacionais

https://www.midianews.com.br//storage/webdisco/2022/02/10/438×291/6b330e589ee753f8315ba772fcc4dc1e.jpg

Publicados

em

O governador Mauro Mendes (União Brasil) afirmou nesta segunda-feira (27) que vai encaminhar para a Assembleia Legislativa um projeto de lei que proíbe a destinação de emendas parlamentares para shows nacionais em Mato Grosso.

A polêmica que ficou nacionalmente conhecida como “CPI do Sertanejo”, veio à tona após a revelação dos valores milionários pagos com dinheiro público para contratação de cantores nacionais. O Ministério Público Estadual (MPE) abriu investigações sobre o caso.

“Vou mandar para a Assembleia essa semana um projeto de lei para a gente normatizar um pouco essa história, até para acabar um pouco com essas confusões. Tem dado muita polêmica, acho que é bom fazer um freio de arrumação nesse negócio”, afirmou.

De acordo com o governador, o projeto visa limitar o uso das emendas parlamentares da área da Cultura para artistas locais.

O projeto vai limitar esses recursos da cultura aos artistas mato-grossenses. Se alguém quer fazer um show nacional, ok. Pode fazer, ninguém vai ficar proibindo de fazer. Agora, o dinheiro público mato-grossense é para apoiar os artistas mato-grossenses, a cultura mato-grossense”, explicou.

Leia Também:  Miliciano foragido que teve mãe e esposa empregadas por Flávio Bolsonaro é principal suspeito de ter assassinado Marielle

Questionado, o governador negou que a proposta seja populista com vista à sua eventual reeleição.

“Eu falo como governador e tenho responsabilidades. Quando era prefeito e não fui para a reeleição, até o último dia do meu mandato eu tomava decisões que eu achava que eram corretas”, disse.

“Independente de ser ou não populares, de ser politicamente corretas, possa ganhar ou não voto, eu acho que o apoio à cultura precisa ter, o apoio a projetos culturais é importante, mas nós temos que apoiar cidadãos mato-grossenses, o artista mato-grossense”, acrescentou.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA