Política

Contratos entre prefeituras e filhos de 2 políticos são alvos do TCE

Um dos contratos tem valor de R$ 1,6 bilhão

Publicados

Política

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) está investigando irregularidades no edital de Concorrência Pública para concessão das rodovias estaduais MT-220 e MT-410 entre os municípios de Tabaporã e Sinop, que teve como vencedor o Consórcio Via Norte Sul, formado pelas empresas dos filhos do deputado estadual Nininho (PSD) e do prefeito de Sinop, Roberto Dorner (PSD).

O contrato, firmado pelo valor de R$ 1.608 bilhão em abril deste ano, permitirá que as empresas de Fausto Presotto Bortolini e Robisson Eugênio Dorner explore as rodovias pelos próximos 30 anos.

A Concessionária Via Norte Sul tem em seus quadros o ex-secretário-geral da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT), Tschales Franciel Tscha, que foi alvo da Operação Convescote, que desarticulou uma quadrilha que firmava convênios com a poder público, por meio da Fundação de Apoio ao Ensino Superior (Faespe). Para o desvio se efetivar, eram utilizadas “empresas fantasmas” em 2017.

De acordo com a Representação de Natureza Interna (RNI), a concessionária poderá lucrar com os postos de pedágios com cobranças acima do permitido pela legislação estadual. Isso porque a licitação ocorreu considerando a modelagem de concessão comum, e que o trecho de Tabaporã, seria aceita para veículo categoria 1 (um eixo), com a proposta mínima de tarifa de pedágio no valor de R$ 7,90 e o valor máximo de R$ 8,30.

Como na extensão de 138,4 km do trecho concedido serão instaladas 3 praças de pedágios, o que dará para cada eixo que percorrer toda a extensão da rodovia, o valor total de pedágio de R$ 24,75. Tal valor, de acordo com a Secretaria de Controle Externo (Secex) do TCE, é superior ao valor cobrado conforme Lei Estadual, que criou a Unidade Tarifária de Pedágio (UTP) para servir de referencial para o preço do pedágio.

Leia Também:  Ação conjunta da Polícia Federal e PM resulta na aprensão de carga de cocaína avaliada em 19 milhões no Araguaia

Assim, a rodovia MT-220, que possui 138,4 km, teria, no termo da lei, como Tarifa Básica Máxima o valor de R$ 19,9, ou seja, 138,4 km x 0,14379, conforme atualização do valor UTP feita pela Secretaria de Estado Fazenda (Sefaz) em junho deste ano.

Os auditores da Corte de Contas também identificaram outras graves ilegalidades nas cláusulas da licitação, haja vista a existência de condições restritivas de participação, cláusulas que prevê a emissão de Relatórios de Avaliação pela Concessionária no caso de não emissão dentro do prazo pelo Verificador Independente, ausência de regras mais precisas para a inclusão de novos investimentos e inclusão de trechos de rodovia na concessão do Lote I que não
foram previstos nos estudos econômico financeiros e nem no PER (Programa de Exploração de Rodovia).

O auditor substituto de conselheiro Luiz Carlos Pereira, relator da RNI, chegou a notificar o secretário de Estado de Infraestrutura, Marcelo de Oliveira, o adjunto Huggo Waterson Lima dos Santos e o presidente da Comissão de Licitação da Sinfra, Rogério Sebastião Magalhães, para apresentarem manifestação prévia atualizada sobre os fatos que embasam o pedido cautelar formulado nestes autos.

Outro lado

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT) afirmou que todos os questionamentos solicitados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) em relação ao Lote I da concessão de rodovias estaduais foram respondidos no dia 27 de setembro.

Segundo o governo, a Sinfra não restringiu a participação de empresas no certame ao estabelecer que os recursos deveriam ser protocolados na sede do órgão, uma vez que a Lei 8.666/93, que normatiza as licitações públicas, não estabelece a forma de recebimento dos pedidos.

Leia Também:  Prefeito de Vila Rica e pecuarista Abmael é condenado a devolver bovinos adquiridos de assassino confesso de procuradores

“A medida trouxe segurança jurídica quanto aos prazos do certame e não foi objetivo de reclamação das empresas participantes”, diz trecho da nota.

Já em relação a cláusula referente aos relatórios de avaliação pelo verificador independente na minuta do contrato, a pasta alega “erro de digitação”, e que palavra Ager foi trocada por concessionária.

“A Sinfra esclarece que o erro é plenamente sanável e que se comprometeu junto ao TCE a alterar o item por meio de um termo aditivo e que, inclusive, enviou um modelo do termo aditivo para o Tribunal”.

O governo também afirmou que não implementou regras limitadoras mais precisas para inclusão de novos investimentos, por entender que os contratos de concessão são de longo prazo, portanto não é crível que suas obrigações sejam fechadas a ponto de não poder incluir novos investimentos.

Sobre a ausência de exigências mais claras e definidas das informações prestadas pelas concessionárias aos usuários, o governo diz que é de obrigação da concessionária criar mecanismos para manter o diálogo com os usuários da rodovia, como a criação de um site e edição de boletins semestrais.

“Por fim, quanto a ausência de relação de bens reversíveis, que seriam aqueles que retornam a administração pública após o fim da concessão, a Sinfra informa que o Plano de Exploração Rodoviário estabelece a forma de recebimento dos bens reversíveis e estabelece a obrigação de manutenção e inventário de todos os bens reversíveis durante o período de concessão”, conclui.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Guedes pediu demissão, mas Bolsonaro tenta demovê-lo, diz jornalista

Publicados

em

O jornalista Vicente Nunes acaba de publicar em seu blog no Correio Braziliense que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu demissão do cargo a presidente Jair Bolsonaro.

O pedido foi feito na quinta-feira (21) durante uma pesada discussão entre o ministro e o presidente.

Guedes falou muitos tons acima do normal e disse que não aceitaria as manobras feitas pelo governo, à sua revelia, para furar o teto de gastos a fim de bancar o Auxílio Brasil de R$ 400.

O pedido de demissão de Guedes foi confirmado por quatro interlocutores ouvidos pelo blog de Vicente Nunes.

Foi feito logo depois de o ministro ser comunicado por quatro auxiliares de que não ficariam no governo diante da farra fiscal para tentar reeleger Bolsonaro.

Deixaram o Ministério o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo.

Guedes está se sentido desmoralizado, segundo amigos próximos. Não está descartada que a sua demissão seja formalizada nesta sexta-feira (22) ou ao longo da próxima semana.

Leia Também:  Seduc pede volta às aulas presenciais e Sintep organiza ato contrário à medida

O ministro diz que chegou ao limite, pois as mudanças propostas pelo governo para o teto de gastos são inaceitáveis.

A situação está tão tensa no Ministério da Economia, que nem a agenda de Guedes foi divulgada.

A única informação é de que ele está em compromissos internos. Interlocutores de Bolsonaro estão sondando nomes para o lugar de Guedes.

No Ministério da Economia, pouca gente acredita que um nome de peso aceite assumir o comando da política econômica com Bolsonaro enlouquecido com a reeleição.

Para se ter um ideia da desconfiança em relação ao governo, Guedes, inclusive, está com dificuldades para preencher os quatro postos abertos em sua equipe.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA