Política

“Governo sério, visionário e que não pensa em eleição, mas nas futuras gerações”, afirma Jayme Campos

Serão investidos até junho de 2022 R$ 106 milhões para a agricultura familiar e R$ 103 milhões para a infraestrutura dos 141 municípios

Publicados

Política

O Governo de Mato Grosso irá investir, por meio do programa Mais MT, R$ 9,5 bilhões até 2022. Recursos que serão destinados para todas as áreas, como nesta sexta-feira (08.10), em que foram aplicados R$ 209 milhões na maior entrega de máquinas e equipamentos para a agricultura familiar e a infraestrutura dos 141 municípios. Para o senador Jayme Campos, as entregas simbolizam uma administração séria e que governa para as próximas gerações.

“Na medida em que estamos atravessando uma quadra não tão boa no Brasil, mas em Mato Grosso, em um único ato, o governador Mauro Medes entrega mais de R$ 200 milhões em equipamentos para as prefeituras e para a agricultura familiar. Algumas pessoas talvez não entendam essa forma de gerenciar a coisa pública. Porque acabou aquela velha prática de fazer do Governo um balcão de negócios ou um trampolim político. A sociedade não aceita mais, sobretudo a sociedade mato-grossense, que quer resultados. Este ato é a representação de tudo isso. E mesmo diante da pandemia, de milhões de desempregados em todo o País, Mato Grosso vem superando as dificuldades através de um Governo sério, visionário, que não pensa em eleição, mas nas futuras gerações. Por isso hoje estamos aqui, a partir da união, caminhando juntos”, afirmou o senador Jayme Campos.

Leia Também:  PAO & CIRCO- Sem licitação, Prefeitura do interior torra R$ 225 mil com shows

Durante o ato desta sexta-feira, que reuniu toda a bancada federal, estadual, além de secretários de Estado, prefeitos e autoridades municipais, o Governo de Mato Grosso entregou para a agricultura familiar 54 veículos Fiat strada, 20 pick-up Hilux, 29 motoniveladoras, 22 distribuidores de calcário, 08 escavadeiras hidráulicas, 300 resfriadores de leite, 17 ensiladeiras, 04 caminhões de leite, 20 motocultivadores, 02 caminhões baú de carga seca, 1 caminhão refrigerado, 02 plantadeiras e adubadeira de mandioca, um perfurador de solo e 08 pás carregadeiras.

No evento, foram assinados ainda convênios para o repasse de 20 mil doses de sêmen bovino, 1,5 mil prenhezes de embrião bovino e 30 mil toneladas de calcário aos municípios.

Além da agricultura familiar, o Governo do Estado investe ainda, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), R$ 103 milhões em equipamentos e máquinas. Nesta etapa, foram destinadas 55 motoniveladoras, 12 escavadeiras e 12 pás carregadeiras a municípios e consórcios regionais.

Conforme o governador Mauro Mendes, os investimos foram possíveis graças as medidas adotadas pela atual gestão, que consertaram o caixa do Estado, trouxeram equilíbrio fiscal e permitiram que o Governo saltasse de Nota C para Nota A no Tesouro Nacional.

“No início do ano já fizemos uma grande entrega para as prefeituras, associações e consórcios. Agora, graças a Deus e a todo o esforço que fizemos desde o início do Governo, temos a condição de realizar a maior entrega de máquinas e equipamentos da nossa agricultura familiar. Eu lembro que ouvi de alguns deputados, no início da gestão, que estava difícil compreender aquelas leis que enviamos para aprovação da Assembleia Legislativa, que muitos chamaram de duras. Então, eu agradeço a confiança do Legislativo, porque foram graças aquelas leis que nós conseguimos reescrever e reconstruir a história desse Estado. Foram essas leis que nos permitiram ser um Estado, hoje, que respeita seu servidor, seu fornecedor e, acima de tudo, seu cidadão, devolvendo a ele em forma de obras e serviços aquilo que ele paga de imposto”, frisou o governador.

Leia Também:  Polícia Civil deflagra operação Jogatina 2 contra o jogo do bicho em Barra do Gaçras e região

Participaram da entrega desta sexta-feira o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Max Russi, os deputados estaduais Paulo Araújo, Ondanir Bortolini, Wilson Santos, Valmir Moretto, Sebastião Rezende, Dr. João, Dr. Eugênio, Dilmar Dal’Bosco, Allan Kardec, Dr. Gimenez, Eduardo Botelho, Túlio Fontes e Thiago Silva; os deputados federais Valtenir Pereira, Carlos Bezerra, Neri Geller, Juarez Costa, Nelson Barbudo e Rosa Neide; os senadores Jayme Campos, Carlos Fávaro e Wellington Fagundes; além de secretários de Estado, prefeitos e autoridades municipais.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Guedes pediu demissão, mas Bolsonaro tenta demovê-lo, diz jornalista

Publicados

em

O jornalista Vicente Nunes acaba de publicar em seu blog no Correio Braziliense que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu demissão do cargo a presidente Jair Bolsonaro.

O pedido foi feito na quinta-feira (21) durante uma pesada discussão entre o ministro e o presidente.

Guedes falou muitos tons acima do normal e disse que não aceitaria as manobras feitas pelo governo, à sua revelia, para furar o teto de gastos a fim de bancar o Auxílio Brasil de R$ 400.

O pedido de demissão de Guedes foi confirmado por quatro interlocutores ouvidos pelo blog de Vicente Nunes.

Foi feito logo depois de o ministro ser comunicado por quatro auxiliares de que não ficariam no governo diante da farra fiscal para tentar reeleger Bolsonaro.

Deixaram o Ministério o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo.

Guedes está se sentido desmoralizado, segundo amigos próximos. Não está descartada que a sua demissão seja formalizada nesta sexta-feira (22) ou ao longo da próxima semana.

Leia Também:  Extinção do DPVAT imposta por Bolsonaro coloca em risco direitos da população mais vulnerável, alerta OAB-MT

O ministro diz que chegou ao limite, pois as mudanças propostas pelo governo para o teto de gastos são inaceitáveis.

A situação está tão tensa no Ministério da Economia, que nem a agenda de Guedes foi divulgada.

A única informação é de que ele está em compromissos internos. Interlocutores de Bolsonaro estão sondando nomes para o lugar de Guedes.

No Ministério da Economia, pouca gente acredita que um nome de peso aceite assumir o comando da política econômica com Bolsonaro enlouquecido com a reeleição.

Para se ter um ideia da desconfiança em relação ao governo, Guedes, inclusive, está com dificuldades para preencher os quatro postos abertos em sua equipe.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA