a

Saúde

A DOR DE UM INOCENTE- Criança de 4 meses morre por suposta negligência da Secretaria de Saúde de Alto Boa Vista

“Eu jamais iria assistir minha filha de 4 anos morrer com tanto sofrimento, ela gritava e gemia de tanta dor, eu queria apenas uma ambulância da Prefeitura para levar nossa filha até Barra do Garças onde a medicina é mais avançada, lá ela seria submetida a exames sofisticados para diagnosticar a doença que lhe causava tanta dor, minha pequena morreu por negligência por parte da saúde pública de Alto Boa Vista, ela não tinha voz para gritar por justiça, ela apenas gritava e gemia com tanta dor e sofrimento, mas agora tem muita gente gritando por ele”. Desabafa os pais da criança que já constituíram advogado para o caso e clama por justiça.

Publicados

Saúde

Dor, sofrimento e morte marcaram os 4 primeiros meses de vida da pequena Maria Allyce.

Uma criança indefesa de apenas 4 meses de idade residente na cidade de Alto Boa Vista, no Norte Araguaia, morreu a caminho da UPA- Unidade de Pronto Atendimento de Barra do Garças, após ficar alguns dias internada no Hospital Municipal de São Felix do Araguaia que atende os municípios circunvizinhos através do Sistema Único de Saúde.

Em entrevista ao Notícia dos Municípios, a mãe da criança Srª Poliana Costa Barros (24) que é mãe de três filhos, a pequena Maria Allyce (4 meses) vinha sofrendo desde o dia 17/05 com fortes dores, acompanhadas de vômitos, diarreia e muita febre.

A mãe Poliana conta que sua filha foi atendida pela médica plantonista do PSF de Alto Boa Vista, Natalia Auriema Lima, que examinou a paciente receitou medicamentos e mandou voltar para casa para continuar o tratamento domiciliar apenas contra tosse e diarreia, ocasião em que a criança apresentou leve melhora.

No domingo (12.06) a criança voltou a passar mal novamente e foi levada mais uma vez para o PSF da cidade, onde foi atendida, desta vez pela médica plantonista de nome Flávia Freitas, que mais uma vez medicou a criança e mandou novamente para ser tratada em casa.

Ao passa mal durante a noite do mesmo dia a mesma médica encaminhou a criança para o Hospital de São Felix do Araguaia por não apresentar melhoras no seu quadro clínico, sendo levada de ambulância acompanhada de uma técnica em enfermagem e deu entrada naquela unidade de saúde no domingo (12) com quadro bastante grave de desidratação e com muita infecção de intestino.

De acordo com exames, a pequena Maria Allyce apresentou alteração no sangue e infecção de intestino, e teve que ficar internada por aproximadamente três dias no Hospital de São Felix do Araguaia, em seguida recebeu alta e retornou para sua cidade.

Conta a mãe que ao retornar para Alto Boa Vista a criança teve novamente outra forte recaída e começou a sangrar pelas fezes, e retornou com ela imediatamente ao PSF de Alto Boa Vista e pediu para que fosse encaminhada para o Hospital Regional de Agua Boa ou de Barra do Garças, pelo fato de não ter mais recursos médicos para ela em São Felix do Araguaia, mas o pedido foi negado pelo secretário de Saúde local que atende pela alcunha de Reginaldo Enfermeiro.

Segundo Poliana, Reginaldo foi áspero, grosso e deselegante com a família ao conversar por telefone de forma áspera afirmando que poderia encaminhar a criança somente para São Felix do Araguaia, e que seu município teria convênio apenas aquele Hospital onde a criança já havia sido tratada, mas sem sucesso.

De forma insistente a família de Poliana pediu ao secretário para que a saúde arrumasse apenas uma ambulância para levar a criança até Barra do Garças, mas foi negado mais uma vez pelo chefe da pasta da saúde que alegou ser proibido e que ele trabalha apenas dentro da lei.

Leia Também:  Mato Grosso registra 15 mortes e 196 novos casos de covid-19 nas últimas 24h

Por desespero conta e risco e por suposta negligência por parte da Secretaria Municipal de Saúde de Alto Boa Vista, a família conseguiu com ajuda de amigos um veículo particular para levar a criança até Barra do Garças com despesas de viagem custeadas pela própria família, mas devido ao estado de saúde da criança ter agravado ela supostamente veio a óbito ainda no caminho, a menos de 15 km da UPA de Barra do Garças.

Conta a mãe que em Barra do Garças ela foi dada entrada naquela unidade sem nenhum laudo médico, resultados de exames ou encaminhamento por parte da saúde pública de Alto Boa Vista, mas que foi bem atendida pela equipe do médico e diretor da UPA, Rafael, que ficou abismado com a situação e revelou que caso a criança tivesse chegado em tempo naquela unidade em uma ambulância com estrutura necessário e oxigênio acompanhado de um enfermeiro, como é o correto, possivelmente não teria morrido.

Em prantos a mãe contou à reportagem do Notícia dos Municípios que ela e seu esposo não tiveram outra alternativa a não ser tentar salvar a sua filha levando para um centro de saúde mais avançado para diagnosticar a doença que estava causando tanta dor e sofrimento.

“Eu jamais iria assistir minha filha de 4 anos morrer com tanto sofrimento, ela gritava e gemia de tanta dor, nós queríamos apenas um carro da Prefeitura ou uma ambulância para levar nossa filha até Barra do Garças para tratar onde a medicina é mais avançada, lá ela seria submetida a exames sofisticados para diagnosticar a doença que lhe causava tanta dor”. Desabafou Poliana.

Poliana e seu esposo Maronis Pereira, que trabalha como ajudante geral, disseram que próximo a Barra do Garças o veículo que eles estavam ainda chegou a acabar o combustível, mas que foram socorridos por dois enfermeiros e um policial que viajavam em um ônibus da empresa Rio Novo, e que ainda reanimou a criança com massagem cardíaca e que inclusive ela respirou e expeliu vômitos, mas sem sucesso.

“Nossa filha morreu por negligência por parte da saúde pública de Alto Boa Vista, ela não tinha voz para gritar por justiça, ela apenas gritava e gemia com tanta dor e sofrimento, mas nossa voz e da população unida vai gritar por ela, queremos justiça”. Desabafa os pais da criança que promete ir até às últimas consequências, com o único apoio e conforto que os consolam, o da população da cidade.

Segundo os pais, o prefeito de Alto Boa Vista, Zezinho Maranhão, não atendeu às ligações da sua família para falar sobre o assunto, não respondeu suas mensagens ou sequer apareceu no velório da sua filha para externar suas condolências à família enlutada“. Desabafa a dona de casa ao afirmar que antes tinha boa impressão e confiança no gestor.

Leia Também:  "Mesmo sem a União, aumentamos investimentos em saúde"


LAUDO DA POLÍCIA TÉCNICA APONTA HEMORRAGIA CEREBRAL SUBRACNÓIDE.

A morte da criança por suposta negligência e omissão comoveu toda a cidade e região, ela foi sepultada no sábado às 8.00h no cemitério de Alto Boa Vista.

De acordo apurou o Notícia dos Municípios, um boletim de ocorrência foi registrado e a família também constituiu um advogado que passa a acompanhar o caso, possivelmente junto com o Ministério Público.

De acordo laudo da Polícia Técnica (POLITEC) assinado pela perita médica legista Ingrid Thoma, a causa da morte da pequena Maria Allyce  foi por Hemorragia Cerebral Craniana Subaracnoide, ou seja; sugerido por sintomas, ou possivelmente quando o paciente se encontra tão anêmico que o sangue está isodenso com o tecido cerebral. O laudo definitivo sairá em 30 dias.

MOBILIZA NAS REDES SOCIAIS E MANIFESTAÇÃO

Para esta segunda-feira (21) um grande número de pessoas estão se mobilizando através das redes sociais de Alto Boa Vista para uma grande manifestação popular em frente à Prefeitura da cidade para cobrar do prefeito Zezinho Maranhão, da Câmara de vereadores e do secretário de saúde do município Reginaldo Enfermeiro, uma resposta do poder do público municipal quanto às supostas negligências da gestão.

O OUTRO LADO

Ao questionar o prefeito de Alto Boa Vista Zezinho Maranhão sobre o assunto, através de um áudio ele nos respondeu que “Ele não estava na cidade, estava viajando e que havia chegado naquele momento (domingo à tarde), mas confirmou que a criança é do seu município, que foi atendida no PSF da cidade e recebeu toda assistência, e que foi encaminhada para o Hospital Regional de São Felix do Araguaia onde ficou internada por alguns dias, que em seguida recebeu alta e retornou para casa.

O gestor disse ainda que após dez dias a criança voltou a passar mal e seria novamente encaminhada para São Felix do Araguaia, caso não conseguisse resolver o problema, a Prefeitura teria legalidade para encaminhar para qualquer UTI do Estado através do SUS via transporte aéreo, mas que a família não aceitou encaminhar a criança novamente para aquele hospital, e que iria tirar a criança para Barra do Garças por conta própria.

PREFEITO ZEZINHO MARANHÃO, ALTO BOA VISTA.

Maranhão se justifica ao afirmar que já ligou para o secretário e para as médicas que atenderam e que não existe nada de negligência, disse reconhecer a dor da família e estar também de coração partido com a situação, mas sem saber o que fazer, ele afirmou também que no momento não tem nem como encarar a família.

Pontuando Maranhão disse já ter marcado uma reunião com sua equipe da saúde amanhã (segunda-feira), às 7.30h para se inteirar melhor do assunto e tomar algumas decisões.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Em uma semana, MT registra 9.396 casos de infecção por Covid-19

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 60 internações em UTIs e 81 em enfermarias públicas.

Publicados

em

Em uma semana, de segunda-feira (20) a domingo (26), Mato Grosso registrou 9.396 casos de infecção pelo coronavírus.

Nas últimas 24 horas, a taxa de internação em UTI Covid no Estado ficou em 70,79%.

Em enfermarias públicas, a taxa subiu de 16% para 17%, conforme o Painel Epidemiológico da Secretaria de Saúde.

 

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 60 internações em UTIs públicas e 81 em enfermarias públicas.

Nas últimas 24 horas, foram notificados mais 267 novos casos de Covid-19 em Mato Grosso.

Também nas últimas 24 horas, foram registradas mais duas mortes causadas pela doença.

Até agora, no total, foram registradas 14.979 mortes em decorrência do coronavírus.

A Secretaria de Estado de Saúde notificou, até a tarde deste domingo (26), 757.442 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso.

Dentre os dez municípios com maior número de casos estão: Cuiabá (135.443), Várzea Grande (53.569), Rondonópolis (44.283), Sinop (34.297), Tangará da Serra (24.341), Sorriso (23.277), Lucas do Rio Verde (23.318), Primavera do Leste (22.633), Cáceres (17.366) e Alta Floresta (16.999).

Leia Também:  Campanha é lançada em Barra do Garças para ajudar contador internado na UTI com Covid

Dos 757.442 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 8.925 pessoas estão em isolamento domiciliar e 732.846 estão recuperadas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA