Segurança Pública

Estado construirá cinco condomínios para policiais.

No Vale do Araguaia, os municipios de São José do Xingu, Santa Cruz do Xingú, Cocalinho e o distrito de Santo Antônio do Fontoura estão entre os beneficiados.

Publicados

Segurança Pública

O valor está incluído nos R$ 41 milhões anunciados pelo Estado para a construção e reforma predial de unidades da PM. Neste primeiro momento, os Núcleos de Polícia Militar serão construídos nos municípios de Cocalinho, Santa Cruz do Xingu, Itaúba, União do Sul e no distrito de Santo Antônio do Fontoura, em São José do Xingu.

Todo o projeto de construção, reforma e modernização das unidades foi elaborado pela equipe de policiais da Coordenadoria de Infraestrutura da PM. O planejamento dos novos núcleos foi desenvolvido de acordo com o regulamento geral da PM, que prevê ambientes adequados como sala do comandante e do subcomandante, reserva de armamento e um espaço moderno, humanizado e acolhedor para atender o cidadão.

Cada núcleo terá um condomínio agregado, destinado exclusivamente aos policiais. A iniciativa inédita tem como objetivo valorizar o policial que trabalha nas cidades mais distantes.  A vila militar ou condomínio residencial militar será composta por 12 casas padrão destinada ao policial e sua família. “Essa Vila Militar é algo inédito, um diferencial em Mato Grosso. Com esse recurso disponibilizado pelo governador Mauro Mendes e com o apoio dos prefeitos e vereadores vamos oferecer qualidade de vida e condições melhores de trabalho ao nosso militar que se dedica à segurança pública nos municípios mais longínquos de Mato Grosso” destaca comandante da PM, coronel Jonildo Assis.

Leia Também:  São Félix do Araguaia divulga cronograma de vacinação contra Covid – 19 na zona rural
O coronel Assis conta ainda que as unidades Núcleo PM no interior estão deterioradas e que esse projeto de modernização, vai deixar tudo isso no passado. “Valorizando nosso policial e o ambiente de trabalho deles, isso automaticamente fortalece ainda mais os laços da Polícia Militar com a comunidade local. Com a Polícia Militar atuante e parceira dos moradores destes municípios, a criminalidade não terá vez”, afirma o comandante.
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Segurança Pública

Inspeções apontam superlotação e maus-tratos em penitenciárias

A cadeia pública de Barra do Garças está entre as mais tranquilas e não foram encontrada irregularidades

Publicados

em

Superlotação, insalubridade, racionamento de água, estruturas precárias, denúncias de maus tratos e tortura, além de atendimento de saúde ausente ou insuficiente. Essas são algumas das diversas irregularidades apontadas durante inspeções realizadas em unidades penitenciárias de Mato Grosso que concentram 74,8% dos presos provisórios e condenados no Estado. Outras situações como problemas crônicos da falta de água para consumo e banho, defasagem de pessoal e falta de política de saúde mental para os servidores também foram destacadas.

 

As inspeções organizadas pelo Grupo de Atuação Estratégica na Defesa do Sistema Prisional (Gaedic/Sistema Prisional) da Defensoria de Mato Grosso ocorreram em 16 presídios no ano passado e foram finalizadas em dezembro. Na época esses locais detinham a maioria dos presidiários no Estado que contava com pouco mais de 11 mil detentos.

 

As visitas ocorreram em diversas cadeias e presídios nos municípios de Água Boa, Barra do Garças, Cáceres, Pontes e Lacerda, Sinop, Sorriso, Rondonópolis, Cuiabá, Várzea Grande, Tangará da Serra e Barra do Bugres. Para cada local visitado, um relatório foi feito com descrição dos problemas e entregue aos órgãos do Executivo e de outras esferas. De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública o déficit atual de vagas no sistema é de 2.258. O Grupo, que atuou em parceria com o Poder Judiciário e a Pastoral Carcerária, estudará medidas que poderão ser tomadas para reverter os problemas.

Leia Também:  Detran-MT retoma atendimento presencial em todo Estado

 

De acordo com os relatórios, na Capital a Penitenciária Central do Estado (PCE) possui o maior número de irregularidades como, por exemplo, a superlotação. A PCE projetada para comportar 1.332 presos e, durante a inspeção, a unidade contava com quase 60% a mais do número de presos, chegando a 2.305.

 

Os relatórios das unidades de Cuiabáe Várzea Grande devem ser entregues em fevereiro. As cidades foram as últimas a receberem as vistorias. No entanto nas unidades as reclamações são parecidas e relatos de sobre insalubridade, acesso a água, assim como algumas denúncia sobre maus tratos.

 

Outras unidades

Na Major Elder Sá, mais conhecida como Mata Grande, em Rondonópolis (212 km ao Sul de Cuiabá), foi também identificado que nem todos os presos dormem em camas com colchões e que materiais de higiene pessoal, como sabonete, pasta de dente, escovas, são distribuídos pelo sistema, mas que não há uma regularidade. Na época a unidade que tinha capacidade para 1.185 detentos, abrigava 1.496.

 

Nas questões que envolvem limpeza e higiene da cela, como papel higiênico, detergente, água sanitária, seriam entregues uma vez ao mês, em pequenas quantidades. Água também é racionada e fornecida em dois horários do dia. Além disso, os lavatórios e sanitárias foram descritos como de péssimas condições e em muitas celas existem infiltrações, problemas com o esgotamento da água o que levou os integrantes a descreverem os locais como insalubres, mal iluminados, úmidos e anti-higiênicos.

Leia Também:  Mauro Mendes e Welington Fagundes liberam R$ 6 milhões para Dr.Adilson reformar Hospital de Barra do Garças

 

A Penitenciária de Água Boa também está entre as que apresentam problemas. Na unidade que tem capacidade para 326 presos e contava com 624, há diversas reclamações de tortura e maus tratos que levou a equipe a pedir o afastamento da gestão. Além disso haviam problemas de infraestrutura, acesso a água e reclamações quanto a comida ofertada.

 

Defensor público Érico da Silveira, que participou de várias das vistorias, incluindo as das unidades que são citadas na matéria e explica que um problema comum encontrado em todas é a superlotação, o que segundo ele é muito grave, pois dela decorrem vários outros. Em seguida também está problemas relacionados a precariedade das estruturas, e falta de serviços de apoio como acesso a médicos, dentistas.

 

Conforme ele em algumas unidades existem programas e projetos em andamentos que geram uma melhoria para os encarcerados, como no caso da Mata Grande oferece cursos profissionalizantes, trabalho e outros. No entanto de forma geral, a infraestrutura e as condições precisam ser melhoradas. O defensor ressalta que desde que as vistorias começaram acontecer houve empenho em melhorias, além da diminuição do número de denuncias por torturas e maus tratos. Nos locais em que não temos o suficiente para concretizar denuncias podemos observar que de certa forma as visitas rotineiras tem inibido essas práticas, assim como resultado em alguns avanços.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PAU E PROSA

POLICIAL

CIDADES

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA